Tempestade Amanda deixa destruição e mortes em El Salvador, Guatemala e Honduras – 01/06/2020

Alphabet doará mais de US $ 800 milhões para ações de combate ao Covid-19 - 27/03/2020

San Salvador, 1 de junho de 2020 (AFP) – A tempestade Amanda deixou um rastro de destruição e morte ao atravessar o norte da América Central, onde 18 pessoas morreram e inúmeras casas e estradas foram devastadas, especialmente em El Salvador, o país mais afetado.

Somente em El Salvador, 15 pessoas morreram e equipes de resgate procuravam sete desaparecidos. A tempestade também deixou dois mortos na Guatemala e um em Honduras.

“Hoje vimos bem perto (a morte), nunca experimentamos uma catástrofe como a causada por essa tempestade”, disse Enrique Viera, 55 anos, morador da comunidade Novo Israel, no sudoeste de São Salvador, onde 50 casas estavam localizadas. lavado por uma forte corrente.

Uma mulher morreu tentando salvar seu cachorro.

“Desde o furacão Fifi (1974), não estávamos em perigo como no domingo, realmente não sabíamos o que fazer porque tudo estava inundando, eram minutos de angústia”, resumiu Viera.

A tempestade foi o segundo golpe em pouco tempo para o povo do Novo Israel. Acostumados a viver em empregos informais, ficaram sem renda devido a medidas para conter o coronavírus. Os moradores acenaram com roupas brancas para as organizações doarem alimentos.

“É uma forte imagem de destruição que se vê aqui”, disse Diego Guevara, 26 anos, que junto com outros jovens foi a Novo Israel para distribuir alimentos e roupas.

No território salvadorenho, segundo dados oficiais, a tempestade afetou 24.125 famílias cujas casas foram total ou parcialmente destruídas.

Estradas em diferentes partes de El Salvador foram inundadas e foram registrados 154 deslizamentos de terra, dos quais 83 “são graves”.

Nesta segunda-feira, moradores da comunidade Novo Israel estavam tentando resgatar pertences.

– Região devastada – Na Guatemala, fortes chuvas deixaram dois mortos e dois feridos, disse o porta-voz da Coordenação de Redução de Desastres, David de León.

Em Honduras, a Comissão Permanente de Contingência anunciou a morte das chuvas, que causaram deslizamentos de terra e inundações em várias partes do país.

A tempestade veio com ventos fortes que, além das mortes e destruição, causaram cortes de energia e água potável nos três países.

Em El Salvador, 7.225 pessoas foram evacuadas de áreas de alto risco e transferidas para 154 abrigos em todo o país.

A tempestade será seguida por chuvas “intermitentes” moderadas no território salvadorenho, apesar de ter se dissipado no território guatemalteco no domingo, anunciou o Ministério do Meio Ambiente.

Ele acrescentou que as chuvas somam 500 milímetros de água, enquanto a média em um ano em El Salvador é de 1.800 milímetros.

“A tempestade chegou para mostrar a vulnerabilidade deste país” e revelar “a falta de investimento em infraestrutura”, admitiu o ministro Durán.

Numa estimativa preliminar, o presidente Nayib Bukele disse que a tempestade causou perdas materiais de aproximadamente US $ 200 milhões.

– Mudança climática – Em El Salvador, um país de 20.742 km2 e 6,6 milhões de habitantes, ambientalistas lembraram que 87% do território é vulnerável a fenômenos hidrometeorológicos devido ao efeito das mudanças climáticas e à “desordem histórica” ​​dos edifícios em as áreas. Áreas urbanas.

“O planeta, a natureza, nos lembra novamente quem está no comando, e as fortes chuvas que recebemos são um produto da mudança climática”, disse à AFP Ricardo Navarro, diretor do Centro Salvadorenho de Tecnologia Apropriada (Basket, ONG).

Para Navarro, “a falta ilimitada de respeito pela natureza que destrói os ecossistemas” foi o que desencadeou a nova tragédia em San Salvador, onde pelo menos sete das 15 mortes são registradas.

“A destruição e as mortes que vemos hoje são o resultado de más decisões que autorizaram a urbanização (construção de casas) em locais de reserva ecológica onde a água é coletada”, disse à AFP Maurício Sermeño, coordenador da Unidade Ecológica Salvadorenha (UNES). ) .

Com quase 50 milhões de habitantes em um território de 533.000 km2, o istmo da América Central é considerado uma área “multi-ameaçada”, pois está exposto a furacões e alta sismicidade.

cmm-ec / mas / dga / jc

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.