Tentativa do Rio de Janeiro de conquistar o Grande Prêmio do Brasil desmorona

Polêmicos planos de transferir o Grande Prêmio do Brasil para o Rio de Janeiro foram arquivados hoje pelos funcionários, com o projeto arquivado pela prefeitura e descartado como sede futura. São Paulo, que sediou o Grande Prêmio do Brasil nos últimos trinta anos e, apesar dos problemas legais e dos desejos do presidente de direita Jair Bolsonaro, continuará a sediar a corrida.

Planos para mover o Grande Prêmio surgiram em 2019, quando o então prefeito do Rio Wilson Witzel twittou que a FOM o contatou. com interesse no alojamento da cidade. Na época, Bolsonaro cancelou formalmente o evento paulista, anunciando o Rio de Janeiro como o futuro do Grande Prêmio no que, por ser político, podemos chamar de movimento puramente político com total impunidade. Eles avançaram quando a Diretoria de Fórmula Um aprovou formalmente a mudança em outubro do ano passado, apesar das fortes críticas ambientais, incluindo o sete vezes campeão Lewis Hamilton, sobre planos de destruir uma floresta tropical para construir a pista.

A pista do Rio de Janeiro seria construída recentemente, com a aprovação entusiástica do Presidente Bolsonaro, embora tivesse um circuito desativado existente na cidade em um parque olímpico abandonado. No entanto, São Paulo não estava disposto a desistir facilmente.

O negócio de Interlagos havia fechado anteriormente foi por cinco anos e acredita-se que o Grand Prix seja altamente lucrativo para a região, bem como um ponto amado no calendário da F1. O único pequeno soluço é um aumento substancial de roubos contra o pessoal da equipe no circuito que coincidiu com a transferência da propriedade da F1 de Bernie Ecclestone para a Liberty Media, que por razões legais não é prova de causalidade.

A candidatura do Rio de Janeiro, apesar do apoio do presidente, faltou verba para se concretizar: o ex-piloto brasileiro de Fórmula E (e, gostaria que eu dissesse, campeão da Fórmula E) Lucas di Grassi, de São Paulo, supostamente sem respaldo financeiro para A oferta do Rio depois da prateleira hoje.

Em um tweet em português do Brasil, Di Grassi disse: “Conforme previsto, #Deodoro isso não vai acontecer. Não vai porque nunca teria.

Bolsonaro se apaixonou pelo discurso, os ativistas entraram para salvar a floresta.

Mas nem foi isso o que aconteceu.

Eles não tinham dólares para fazer o circuito desde o início. E não fazia sentido. Ótimo resultado no final. “

A decisão de arquivá-lo após a mudança do prefeito para Eduardo Paes, um centrista não associado ao partido de Bolsonaro, Veio por proposta da secretaria local de meio ambiente e é formalmente o fim do caminho para a proposta do Rio. Embora não seja uma destruição total da cidade sede da F1, a vontade política local é claramente contra.

A tentativa de trocar o Grande Prêmio entre as duas cidades é, sem surpresa, repleta de rivalidade política. O arquirrival de Bolsonaro é o governador de São Paulo, então isso é considerado uma vitória para elebem como senso ambiental e econômico e pessoas que gostam de ver uma das boas corridas de F1.

O Grande Prêmio de São Paulo também enfrentou problemas jurídicos devido à mudança de prefeito no mês passado, quando o novo prefeito Rubinho Nunes suspendeu o contrato do ex-prefeito Bruno Covas por causa de dúvidas sobre a licitação.

O problema surgiu porque o processo de adjudicação do contrato não foi licitado de forma adequada ao público, embora seja altamente improvável que qualquer outra empresa saia na frente ou tenha mais experiência na condução do Grande Prêmio do Brasil. Na verdade, o que pode acontecer é que a licitação seja reapresentada com o devido processo e o contrato seja concedido de qualquer maneira, mas pelo menos o teatro da anticorrupção é uma competição política extremamente poderosa no Brasil hoje.

Você tem uma dica? Envie-nos uma nota: [email protected]

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *