The Genius Who Changed Music – The Berlin Spectator

Sérgio Santos Mendes é o homem que trouxe a Bossa Nova, o Samba e a Música Popular Brasileira para o mundo. Mas esta é apenas a versão simples de uma história que começou exatamente 80 anos atrás.

Em 11 de fevereiro de 1941, um menino nasceu em Niterói, pequeno município da província do Rio de Janeiro. Sérgio Mendes formou-se como pianista clássico, enquanto seu interesse pelo jazz e pelos gêneros brasileiros crescia cada vez mais com o passar dos anos. No início dos anos 1960, quando a Bossa Nova estava explodindo por todo o país, ele comandou o Sexteto Bossa Rio, um grupo de sucesso. Eles até viajaram pela França e pela Itália antes de chegar ao Japão em 1964.

Novidade ousada

Depois da turnê, Sérgio Mendes, grande amigo do herói da Bossa Nova Antonio Carlos Jobim que também tocou com Cannonball Adderley e Herbie Mann, se estabeleceu nos Estados Unidos da América, onde fechou contrato com a A&M Records, gravadora Herb Alpert. Em 1966, sua interpretação de ‘Mas Que Nada’ de Jorge Ben se tornou seu grande sucesso. Ao longo dos anos, ele gravou várias versões.

Naquele ponto, Mendes havia aparecido por mais de um caminho. Na verdade, espalhou os sons impressionantes do Brasil nos Estados Unidos, Canadá, Europa e Japão. E ele misturou com improvisação de pop, funk e jazz. Na época, esse tipo de abordagem era uma novidade bastante ousada.

De 66 a 88

No início, com seu grupo Brasil 66, o genial pianista, compositor, arranjador e produtor Sérgio Mendes adorava fazer covers de sucessos dos Beatles como ‘Fool on the Hill’, que convertia com uma boa dose do sabor brasileiro. Uma década depois, ele chamou sua nova banda de Brasil 77. O conceito permaneceu o mesmo, enquanto o som era mais moderno e parcialmente até funky. Mas Mendes sempre apresentou melodias puramente brasileiras também.

Na época do Brasil 77, casou-se com Gracinha Leporace, vocalista com quem havia cooperado extensivamente. Na época em que o nome do seu grupo mudou novamente, desta vez para Brasil 88, Sérgio Mendes também entregou sucessos brilhantes do AOR cantados em inglês. Um exemplo surpreendente, ‘Never Gonna Let You Go’, alcançou o quarto lugar nas paradas americanas.

‘O som de uma música’

Outro exemplo brilhante de melodias pop de Mendes foi ‘Let’s Give a Little More This Time’, gravada com o vocalista Joe Pizzulo em 1984. O mesmo álbum, ‘Confetti’, continha outra melodia muito especial gravada com um coro infantil: ‘The Sound of One Song ‘se tornou uma das melodias mais bonitas da história, mas a maior parte do mundo parecia não notar esta em particular.

Mais um milhão de álbuns se seguiram, muitos para mencionar. Mas há um que não podemos ignorar aqui. Foi gravado em 1992. O título: ‘Brasilieiro’. Isso lhe rendeu um prêmio Grammy de “Melhor Álbum de Música do Mundo”. E o júri estava absolutamente certo, mas deveria ter conquistado muitos mais Grammys. ‘Brasilieiro’ contém de tudo, desde ritmos brasileiros-africanos a sons sambarescos e melodias misturadas com Rap. Este álbum é como um livro de música brasileira e reflete a trajetória do artista.

Nova Geração de Fãs

Posteriormente, Sérgio Mendes cooperou com o The Black Eyed Peas e outros grupos bem mais jovens, incluindo rappers que o acompanhavam em turnês. Uma jogada inteligente. Dessa forma, ele alcançou uma nova geração de pessoas, muitas das quais se tornariam fãs.

Sérgio Mendes continua em digressão. Gracinha Leporace frequentemente se junta a ele no palco, junto com alguns dos maiores músicos de todos os tempos. Os sons e imagens que apresenta no palco são como tudo o que ele fez, desde os dias do Brasil 66.

Seis décadas depois

Um ex-integrante da banda de Mendes deve ser mencionado aqui: Oscar Castro-Neves, violonista genial e um dos grandes mestres da Bossa Nova, tocou por muito tempo com Sérgio Mendes, durante a gravação de discos solo, até seu falecimento em 2013. Oscar Castro-Neves foi um dos melhores.

Uma coisa é certa: seis décadas depois de tudo ter começado, a influência de Sergio Mendes na música pop e seu papel em levar as melodias brasileiras ao mundo nunca devem ser subestimadas. Nem é sua energia. Em 2019, aos 78 anos, fez mais uma turnê europeia. O seu mais recente álbum, ‘The the Key of Joy’, foi lançado no ano passado e celebra seis décadas de música entregue por ninguém menos que Sérgio Mendes. Um feliz e divertido aniversário para você!

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *