‘Total absurdo’: cientistas condenam a disseminação da ‘teoria’ na Internet de que o 5G transmite coronavírus – 04/07/2020

Alphabet doará mais de US $ 800 milhões para ações de combate ao Covid-19 - 27/03/2020

Além dos cientistas, as associações de operadores e o governo negaram a “teoria da conspiração”, dizendo que as ondas de rádio ajudaram a espalhar o coronavírus.

A comunidade científica negou e criticou as teorias da conspiração de que a tecnologia 5G ajuda a espalhar o novo coronavírus.

Vídeos compartilhados nas redes sociais britânicas mostram imagens de queima de antenas de celulares (ou postes) em Birmingham e cidades no condado de Merseyside, onde fica a cidade de Liverpool, Inglaterra, junto com declarações de “teoria”.

As postagens foram compartilhadas no Facebook, YouTube e Instagram? muitos feitos por contas verificadas com centenas de milhares de seguidores.

Mas os cientistas dizem que a idéia de uma conexão entre a covid-19, uma doença causada pelo novo coronavírus, e a rede 5G é “total absurdo”, além de ser biologicamente impossível.

O diretor médico do Serviço Nacional de Saúde da Inglaterra, Stephen Powis, classificou as teorias da conspiração como “o pior tipo de notícia falsa”.

Teoria da conspiração

As publicações sugerem que o 5G, a última geração de telefonia móvel e dependente de sinais transmitidos por ondas de rádio, é de alguma forma responsável pela transmissão do coronavírus.

As teorias parecem ter surgido nas postagens do Facebook no final de janeiro, na mesma época em que os primeiros casos foram relatados nos Estados Unidos.

A teoria falsa aponta para dois pontos: o primeiro é que o 5G pode suprimir o sistema imunológico, tornando as pessoas mais suscetíveis à contração do vírus. A segunda é que o vírus pode ser transmitido de alguma forma através do uso da tecnologia 5G.

Ambas as idéias são “absurdas”, diz Simon Clarke, professor associado de microbiologia celular da Universidade de Reading, no Reino Unido.

“A ideia de que o 5G reduz o sistema imunológico não resiste ao escrutínio científico”, diz Clarke.

“Seu sistema imunológico pode ser afetado por todo tipo de coisa: estar cansado um dia ou não ter uma boa dieta. Essas flutuações não são grandes, mas podem torná-lo mais suscetível à contração de vírus”.

Embora ondas de rádio muito fortes possam causar algum tipo de aquecimento, o 5G não é poderoso o suficiente para aquecer alguém a ponto de causar qualquer efeito prejudicial.

“As ondas de rádio podem alterar sua fisiologia à medida que o aquecem, o que significa que seu sistema imunológico pode não funcionar. Mas os níveis de energia das ondas de rádio 5G são muito pequenos e nem chegam perto o suficiente para afetar seu sistema imunológico. Sistema imunológico”. Existem muitos estudos sobre isso “, diz Clarke.

As ondas de rádio envolvidas no 5G ou em outras tecnologias de telefonia móvel estão na extremidade de baixa frequência do espectro eletromagnético. Menos poderosos que a luz visível, eles não são fortes o suficiente para danificar as células, ao contrário da radiação na extremidade de maior frequência do espectro, que inclui os raios solares e raios-X usados ​​na medicina.

Também seria impossível para a tecnologia 5G transmitir o vírus, acrescenta Adam Finn, professor de pediatria da Universidade de Bristol, também no Reino Unido.

“A epidemia atual é causada por um vírus transmitido de uma pessoa infectada para outra. Sabemos que isso é verdade. Temos até o vírus crescendo em nosso laboratório, obtido de uma pessoa com a doença. Vírus e ondas eletromagnéticas são coisas completamente diferentes. ” ele diz.

Também é importante observar outro “buraco” nessa teoria: o coronavírus está se espalhando para cidades no Reino Unido onde o 5G ainda não foi implementado, e em países como o Irã e o Brasil, que ainda não implementaram a tecnologia.

Mesmo antes da crise do coronavírus, havia várias histórias peludas de 5G circulando nas mídias sociais. Alguns foram revisados ​​pela BBC, como um alegando que a nova tecnologia representaria riscos à saúde.

No início deste ano, um estudo abrangente da Comissão Internacional de Proteção contra Radiação Não-Ionizante (ICNIRP) respondeu às alegações, dizendo que não havia evidências de que as redes móveis causassem câncer ou outras doenças.

Mas, por alguma razão, a desinformação sobre o assunto parece ter aumentado.

A associação britânica de operadoras de telefonia móvel Mobile UK disse que os falsos rumores e teorias que ligam o 5G ao coronavírus são “preocupantes”, enquanto o Ministério da Cultura, Mídia e Esportes do Reino Unido (DCMS) reiterou que “não há absolutamente nenhuma evidência isso comprova essa associação “.

Os vírus invadem células humanas ou animais e as usam para se reproduzir, causando a infecção. Os vírus não podem viver muito tempo fora de um ser vivo; portanto, você precisa encontrar uma maneira de entrar? geralmente tossindo ou espirrando.

O sequenciamento do genoma do novo coronavírus sugere que ele pulou de animais para humanos? e então começou a passar de humano para humano.

Confira nossa cobertura especial

Os casos

O primeiro registro do coronavírus no Brasil foi em 24 de fevereiro. Um empresário de 61 anos, que mora em São Paulo (SP), foi infectado após retornar de uma viagem, entre os dias 9 e 21 de fevereiro, para a região italiana da Lombardia, a mais afetada no país europeu que tem mais casos fora da China.

Segundo o Ministério da Saúde, o empresário de 61 anos apresentava sintomas como febre, tosse seca, dor de garganta e coriza. Seus parentes começaram a ser monitorados. Dias depois, os exames mostraram que uma pessoa ligada ao paciente também possuía o novo coronavírus e transmitia o vírus para uma terceira pessoa. Todos ficaram em quarentena em suas casas por um período de pelo menos 14 dias.

Após o primeiro caso, vários outros registros começaram a ser feitos no Brasil. Muitos vieram de países com numerosos casos do novo coronavírus, mas foram registrados casos posteriores de transmissão local e, eventualmente, comunitária.

Duas semanas depois, foi anunciado que o empresário de 61 anos está curado da doença causada pelo novo coronavírus.

A primeira morte no Brasil de um homem de 62 anos foi confirmada em 17 de março. Morava em São Paulo (SP).

Tenha cuidado

A principal recomendação dos profissionais de saúde que supervisionam o surto é simples, mas bastante eficiente: lave as mãos com sabão após usar o banheiro, toda vez que chegar em casa ou antes de manusear alimentos.

Idealmente, esfregue as mãos por 15 a 20 segundos para garantir que vírus e bactérias sejam mortos.

Se você estiver em um ambiente público, por exemplo, ou com uma grande multidão, não toque na boca, nariz ou olhos sem antes lavar as mãos ou limpar com álcool. O vírus é transmitido pelo ar, mas também por contato.

Também é importante manter o ambiente limpo, desinfetando superfícies como móveis e telefones celulares com soluções desinfetantes.

Para limpar o telefone, você pode usar uma solução com cerca de metade da água e metade do álcool, além de um pano limpo.

Você viu nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=Z82Cj45Jtko

https://www.youtube.com/watch?v=UJLcegfS1vw

https://www.youtube.com/watch?v=Ya59JcvPVZo

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.