Trauma e laços familiares na ACE Porter Street Commission

A cineasta e artista de renome internacional Allison Chhorn abriu sua instalação de referência Skin Shade Night Day no ACE, convidando o público a mergulhar em uma fusão evocativa e sensorial de passado e presente.

No meio da galeria ACE há uma casa de sombra. Com quase dez metros de comprimento e construído de tecido opaco, não muito azulado – o mesmo material visto em inúmeras estruturas semelhantes em toda a Austrália – parece incongruente.

Mas quando o público cruza o limiar, a sombra os envolve. Em cada canto, são projetados elementos de um ciclo de vídeo: sua luz se desvanece na galeria. Os sons atmosféricos surgem de diferentes posições ao redor do espaço. Dentro da casa das sombras, somos subitamente levados para outro lugar.

“[Audiences] ele será transportado para uma estação diferente”, diz Allison Chhorn, que criou a instalação Tons de Pele Noite Dia depois de receber a Comissão da Porter Street 2022 da ACE. “Só ouvir os sons das cigarras pode trazer de volta uma boa memória, ou algo assim.”

A memória é um tema-chave no trabalho de Allison. A artista cambojana-australiana, cujos filmes foram exibidos em festivais em Nova York, Coréia, Suíça e Brasil, desenvolveu uma estética rica e matizada por meio da qual explora os ecos das experiências traumáticas de sua família vivendo sob o Khmer Vermelho.

Por Dia da noite da sombra da pele, Allison colaborou com seus pais. Ela filmou os três realizando tarefas cotidianas como cozinhar e jardinagem, documentando a conexão promovida pelo compartilhamento da realidade física.

Cineasta e artista Allison Chhorn

“Quando criança, você quer copiar seus pais, experimentar o que eles estão fazendo”, diz Allison. “Sinto que tenho feito isso de forma um pouco mais consciente, cuidando do jardim da mesma maneira que eles e refazendo seus rituais para gravar o som.

“É uma maneira muito física de entendê-los. Um exemplo é quando minha mãe prepara a terra com uma enxada… Ela me disse que seu irmão se machucou com uma durante o Khmer Vermelho, e isso é algo que eu sempre pensei quando uso essa ferramenta.”

Allison desvenda essas ideias de conexão, rituais cotidianos, senso de lugar e o espectro às vezes assombroso do passado através de uma linguagem visual e sonora única. A arte combina mundos internos e externos e atinge o público através de meios sensoriais, em vez de didáticos.

Antes da Porter Street Commission, o trabalho de Allison era feito principalmente para as telas de cinema. O investimento de US$ 20.000 permitiu que ele expandisse sua linguagem artística para o reino físico.

É uma mudança que marca um marco na carreira da artista e uma evolução de sua prática, tanto em seus resultados quanto em seus métodos de criação.

“Acho que o mais importante, me deu a oportunidade de trabalhar com novos colaboradores e familiares de uma maneira diferente”, diz Allison. “Meu pai construiu a casa das sombras original, e meus colaboradores e minha mãe trabalharam na versão que será instalada na galeria. Estou trabalhando com a família e amigos de uma forma muito direta e íntima.”

Um quadro do componente de vídeo de ‘Skin Shade Night Day’

A vencedora inaugural da Porter Street Commission 2021, Bridget Currie, está agora visitando sua exposição comissionada, mensagem de prado, para a Galeria Regional de Penrith. O diretor de arte da ACE, Patrice Sharkey, diz que o show foi deliberadamente projetado para ter esse tipo de efeito de amplificação.

“Trata-se de investir em novos trabalhos que possam circular, ter outras vidas, entrar em outros contextos e criar novas oportunidades para artistas a partir de [in South Australia],” ela diz.

O desejo de Allison de passar da tela para a galeria fez dela uma candidata natural, que também está focada em permitir que os artistas dêem um passo ambicioso em sua carreira.

“A ideia de Allison querer construir um filme e sua linguagem cinematográfica de volta à galeria e entender como transformar sua prática baseada em tela em uma instalação multidimensional é realmente emocionante”, diz Patrice. “E por ter trabalhado no contexto de cinema e festivais de cinema, talvez não seja a artista mais visível no setor de galerias.

“A chamada da Porter Street Commission também é um mecanismo para a ACE investir em artistas visuais que podem não estar no nosso radar, criando uma oportunidade para eles com base na qualidade de seu trabalho.”

Por cerca de seis semanas entre junho e agosto na ACE, o trabalho de Allison será gloriosamente visível. É uma oportunidade para o artista, mas também para o público, que, ao entrar na galeria, entrará em uma conversa íntima e comovente com o artista, o passado, o presente e consigo mesmo.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.