Três ideias tecnológicas originais para a sua semana

Crônicas de uma época: o último abraço

Escrevo para cobrir tópicos na área de tecnologia, basicamente (neuro) ciência e tecnologia, que têm um interesse filosófico ou social mais amplo. Em geral, desenvolvo uma série de quatro ensaios, que me levam dois meses, mais um mais, em que reviso o campo. Essa dinâmica me dá uma grande satisfação e, ouso dizer, cumpre as aspirações de um perfil de leitor de texto mais longo e mais conectado do que o Twitter vem acumulando mais e mais.

Compromisso com séries temáticas: bases cognitivas da inteligência artificial, o papel da tecnologia na arte contemporânea, o futuro das tecnologias médicas, a ideologia dosa. A revolução industrial, crônicas da pandemia e outras, muitas vezes me faz sentir como alguém que não foi à festa porque preferia ficar focado até tarde. É o famoso FOMO (sentimento de perda), que aparece no palco da consciência a cada percepção que vejo nascendo e deixando morrer, em favor da manutenção de uma linha de produção sistemática.

Mas hoje eu farei de forma diferente. Vou compartilhar com vocês três idéias que tive sobre tecnologia nos últimos dias. O critério de seleção é simples: cada um deles parece digno de um artigo próprio, o que explica como tudo em jogo realmente funciona. Quem sabe um dia …

Tubarões Razoáveis

A coisa mais importante que está acontecendo na área de tecnologia no país agora é o lançamento do Pagamentos pelo WhatsApp. Embora ele não goste de bancos que não atendem BB, Sicredi ou Nubank, o sistema é extremamente confortável para o consumidor final, que pode se livrar de hardware que requer manutenção constante (o plástico do cartão, sempre sujeito a perdas e danos) ), além de poder enviar dinheiro para outras pessoas, sem as várias limitações do TED e DOC. Nesse sentido, a idéia é tão atraente quanto abolir o uso obrigatório de cintos de segurança.

Veja bem, a maioria das rotas que tomamos é curta e tem um risco muito baixo. Por que diabos usar cintos de segurança, certo? Essa é a sensação que todos temos quando o sensor emite um sinal sonoro no estacionamento do shopping. Acontece que o uso obrigatório do cinto não existe porque é essencial no momento, mas porque deve haver um condicionamento para que a maioria das pessoas o use em todas as outras ocasiões. O que salva vidas.

Os pagamentos por WhatsApp tendem a ter um MDR (taxa de desconto de comerciante – a taxa cobrada do vendedor) mais alta do que os modelos (até 100% a mais). Claro, há momentos em que vale a pena pagar um pouco mais por conforto. Acontece que seu lançamento tenderá a funcionar como a abolição do cinto de segurança obrigatório: as pessoas simplesmente esquecerão isso. detalhe.

A principal consequência será que os vendedores terão que aumentar o preço de seus produtos para acomodar os lucros do Facebook e de seus parceiros na operação (já que o Facebook foi considerado uma das empresas mais nocivas do mundo hoje), dando um desconto a quem você decide pagar de outra forma.

Esse modelo de pagamento por aplicativo não é novo no mundo. Em vez disso, o WhatsApp está tentando perseguir o WeChat, expoente do modelo de super aplicativo, como expliquei neste artigo, sobre acordos de pagamento e blockchain.

Na China, o super app, um aplicativo que serve a propósitos sociais, comerciais e de telecomunicações, gerou seu próprio ecossistema, no qual a digitalização financeira se baseia. Isso, por sua vez, mudou a mentalidade dos chineses em relação à importância do banco digital, além de jogar fortemente contra o uso do papel-moeda no país.

Esta é a parte óbvia, que serve como pano de fundo. O óbvio é este: esse arranjo foi fundamental para a implementação do primeiro moeda digital nacional (CBDC). Ao adicionar o WhatsApp ao sistema bancário com o Pix, o sistema de pagamentos do BC, que promete transações imediatas, 24/7, a partir de novembro, chegaremos a um cenário ideal para a digitalização do Real.

Como pagar pelo WhatsApp e liberar o uso de cintos de segurança, os CBDCs fornecem imediatamente vantagens significativas para grande parte da população. No entanto, tornam a vida de quem é excluído do universo digital (classe D, idosos e outros) muito mais difícil, aumentando a desigualdade. Em paralelo, Criar oportunidades para perseguição econômica e concorrência desleal no sistema financeiro.

O sucesso do projeto WhatsApp deve reduzir o incentivo para a população brasileira usar papel-moeda, além de forçar o banco digital das classes C e D. Se, de fato, Pix deixar, serão criadas condições para a implementação do real digital , ou, já que faria mais sentido em outro contexto político: uma moeda digital do Mercosul.

Uma Olimpíada Brasileira no FBI

Em 12 de março, o UOL publicou o artigo “Como Lava Jato ocultou visitas do governo federal do FBI e promotores dos EUA”, em colaboração com a Agência Pública e o Intercept Brasil. Lá, foi narrado o fato de que, em 10/2015, o grupo de trabalho Lava Java do Paraná havia recebido o visitar de uma delegação composta por advogados americanos e membros do FBI, entre outros, que não seguiram os ritos tradicionais para esse tipo de relacionamento, a saber, uma solicitação formal de colaboração (MLAT), que deve ser centralizada no Ministério da Justiça brasileiro.

Em 1/7/2020, a Agência Pública e o Intercept Brasil publicaram o artigo “O FBI e Lava-Jato”, que, entre outras coisas, esclareceu a colaboração brasileira com o FBI para quebrar a criptografia do sistema My Web Day do O famoso setor de operações estruturadas da Odebrecht, que utilizou a metodologia True Crypt para proteger os dados.

De acordo com o órgão público:

Conforme solicitado pelo relatório, Lava Jato afirmou, por meio de nota, que “os dados do sistema Drousys, entregues ao MPF no âmbito do acordo de leniência assinado pelo Grupo Odebrecht, já foram objeto de uma revisão por especialistas apresentada à avaliação do Judiciário brasileiro e ajudaram a fornecer provas para várias investigações e acusações criminais “. A resposta completa está no final da história. No entanto, apenas em agosto de 2017, cinco discos rígidos com dados de cópia do software My Web Day foram oficialmente entregues aos promotores da Lava Jato como parte do acordo, de acordo com um relatório do O Globo. Ainda faltavam arquivos para decifrar, e mais uma vez Lava Jato precisava da ajuda dos americanos.

O texto não diz que o FBI acessou os arquivos, mas foi o que muitas pessoas entenderam por conta própria. De acordo com essa possibilidade, pesquisas sobre o assunto indicam que (1) o TrueCrypt, que é de código aberto, foi suspenso em 2014; (2) os próprios desenvolvedores aconselharam seus usuários a parar de usá-lo; (3) algumas vulnerabilidades foram descritas na Internet já em 2015; (4) O site TrueCrypt apresentou a seguinte mensagem na época:

“O desenvolvimento do TrueCrypt terminou em 5/2014 depois que a Microsoft encerrou o suporte ao Windows XP. O Windows 8/7 / Vista e versões posteriores oferecem suporte integrado para discos criptografados e imagens de disco virtual. Esses sistemas incorporados também estão disponíveis em outros plataformas (clique aqui para obter mais informações. Você deve migrar dados criptografados com TrueCrypt para discos criptografados ou imagens de disco virtual suportadas por sua plataforma. ”

(5) Pierluigi Paganini, um conhecido hacker e especialista em segurança, disse: “O especialista em segurança popular James Forshaw descobriu duas falhas críticas no driver que o TrueCrypt instala nos sistemas Windows”.

(6) Em 2014, o FBI acessou a parte criptografada de Christopher Glenn, que copiou os planos militares dos EUA e os protegeu com TrueCrypt. Eu estou preso por dez anos, então. Foi após esse evento que o TrueCrypt foi descontinuado. O desligamento repentino ocorreu porque o FBI tinha acesso ao algoritmo de criptografia, tornando-o vulnerável a partir de agora? É o que muitas pessoas perguntam hoje.

Dessa vez, o fundo tem o clima de uma série: com a ajuda dos americanos, o FBI acessou os arquivos da Odebrecht à força, mas isso nunca foi revelado. Certo? Hmm, na minha opinião, errado.

Vou deixar de lado a parte retórica e focar em dois pontos simples. O primeiro é prático. Meia década antes do evento da Odebrecht, o FBI passou um ano tentando quebrar a criptografia dos discos rígidos de computador de Daniel Dantas, no contexto da Operação Satiagraha, sem sucesso. Entenda a operação, incluindo parte das muitas coisas que deram errado.

Em 2012, o FBI tentou quebrar a criptografia de arquivos relacionados aos famosos Documentos do Panamá e também encontrou burros na água. Vale ressaltar que, nesse caso, o algoritmo não era TrueCrypt, mas seu sucessor, conhecido como Vera Crypt; No entanto, eles são bastante semelhantes. No ano seguinte, foi a vez de David Miranda ter arquivos confidenciais, protegidos com TrueCrypt, inspecionados pelo FBI. O resultado? Sem B.O.

Mas afinal, e o caso de Christopher Glenn? Durante o julgamento, ele se declarou culpado; É bem possível, provavelmente, ouso dizer, que ele tenha dado acesso aos registros enquanto negociava sua sentença.

O segundo ponto é técnico. True Crypt usa um padrão criptográfico conhecido como AES 256 bits, que é tão forte que nem mesmo os computadores quânticos do futuro podem quebrá-lo. De fato, quando você ler que computadores quânticos poderão quebrar toda a criptografia existente, etc., ignore-a. É idiota Na verdade, existem dois tipos básicos de criptografia: assimétrica e simétrica. O último não está sob ameaça, embora seja mais simples em um sentido.

Tudo isso sugere que a capacidade de decifrar senhas criadas com ferramentas de código aberto, como True Crypt / Vera Crypt, que estão disponíveis para qualquer pessoa, está além da capacidade do FBI, da NSA e de qualquer pessoa que queira se aventurar nisso. terra. Isso ocorre devido à falta de qualquer método “criptoanalítico” para o AES 256, o que é surpreendente, pois é quase tão antigo quanto a World Wide Web (1997 x 1989). Existem métodos para tentar alcançar as chaves armazenadas na memória da máquina e explorar outras vulnerabilidades e deslizes.

Minha ingenuidade, que eu não conheço os laboratórios de ultra alta tecnologia da inteligência americana? Deixe o contrário provar, começando com os arquivos da Dantas!

Reflexões sobre a universalização de Jesus (por: ateu bem-intencionado)

Black Lives Matter mudou o novo normal como se fosse o antigo: pessoas nas ruas, gritos de guerra e muitas, muitas pessoas presas. Os resultados estão aparecendo em todos os lugares. Uma parte está diretamente relacionada ao desempenho da polícia, uma questão sobre a qual escreveu aqui. Outra é muito mais genérica e inclui, entre outras frentes, a derrubada de estátuas de pessoas que contribuíram para o apartheid-macio (e duro) que continua até hoje.

Nesse sentido, parece que chegou a hora de enfrentar uma questão fundamental: o Jesus loiro que famílias de todas as cores colocam na parede, um homem branco de Oxford, bem definido pelo comediante inglês Eddie Izzard.

Antes que alguém assuma que é um mecanismo moderno de dominação, lembremos que Jesus de Oxford é uma reinterpretação renascentista (veja “A Última Ceia”, de Leonardo da Vinci) de pinturas e outras formas de representação que já a embranqueceram. . Também é verdade que diferentes perfis de Jesus se tornaram canônicos ao longo da história, em diferentes partes do mundo. Vale a pena acessar este artigo da National Geographic e conheça as principais versões. Alguns são muito interessantes.

Tendo feito essas reservas, o Oxford Jesus, associado a uma representação eurocêntrica de Deus, deve ser considerado como tendo desempenhado um papel importante na colonização africana; de fato, até hoje, imagens desse tipo ainda estão espalhadas por todo o continente, como destacado Willem Oliver, Universidade da África do Sul. Seja lá, aqui ou na Ásia, parece claro que o mundo só pode vencer analisando esta questão. Vejamos, a premissa subjacente à representação religiosa de Jesus é que ele personifica a pureza de espírito, bondade e justiça, de modo que, a partir da identificação projetiva, ele catalisa sentimentos de confiança, solidariedade e compaixão.

12 Uma das consequências da eficácia da primeira associação é a maior confiança intrínseca em homens com pele e olhos claros. Esse efeito foi confirmado na última pesquisa realizada pelo Locomotive Institute, que mapeou percepções implícitas e explícitas sobre cor e outros atributos, em uma grande amostra nacional, e o que é verdade para o Brasil, onde os brancos de olhos claros são minoria, é verdade para a maior. parte do mundo.

A maneira mais simples e direta de abordar o problema é através da antropologia forense, capaz de recriar a provável imagem do verdadeiro Jesus (supondo que ele existisse, um tópico que não é discutido aqui). Esta não é uma tarefa fácil, pois não há vestígios do corpo, esqueleto ou DNA. No entanto, como Mike Filley gosta de lembrar: “De acordo com o evangelho de Mateus, quando Jesus foi preso no jardim do Getsêmani, antes de sua crucificação, Judas Iscariotes teve que indicar aos soldados quem era Jesus, pois eles não podiam diferenciá-lo de seus discípulos”.

Com base na premissa de que sua aparência era comum, um projeto de antropologia e arte forense recriou o perfil do Filho de Deus em 2015. O resultado pode ser encontrado aqui.. Pensar nesse perfil à luz dos atuais protestos anti-racistas leva à máxima de que a “imagem pública de Jesus” precisa ser completamente redefinida. O impacto desta revisão não pode ser subestimado. Aparentemente, Jesus não era branco e, como muitos outros, foi assassinado por sua oposição aos poderosos.

Este é o plano de fundo, o básico. Além dele, a questão é que o relacionamento que os cristãos estabelecem com Jesus vai muito além da iconografia. Reduzir essa discussão, que em minha opinião é absolutamente importante, pois o naturalismo da reconstrução forense é matar a possibilidade de algo muito mais interessante, imaginativo e rico em significado: essa é a reflexão que eu gostaria de compartilhar.

Pelo que entendi, a melhor maneira de redefinir a imagem de Jesus não se resume à antropologia forense, mas passa pelo uso de técnicas combinatórias de imagem, baseadas na inteligência artificial, para mesclar todos os registros faciais masculinos do mundo (o que pena que tem que ser assim) em um. Essa seria a representação de Jesus: sempre mudando, evoluindo junto com a humanidade, unidos em sua multiplicidade; afinal, esse era o espírito da coisa, certo?

Para fazer isso, seria necessário começar do zero: a combinação impensada de todos os registros disponíveis nos bancos de imagens privados (onde as imagens que podem ser compradas são encontradas) levaria a desvios de amostra semelhantes aos que causam algoritmos tendenciosos. Segundo, essas imagens não são autênticas. Seria melhor iniciar um projeto global para novas coleções, o que poderia trazer muitos desafios à privacidade.

Finalmente, existe o problema mais sério de que isso eliminaria novamente a representação das verdadeiras origens étnicas de Jesus, em favor de algo que, por definição, não existe. Para acomodar as reservas que este último traz, acho que o ideal seria ancorar (leia-se: atribua um grande peso amostral) à imagem recriada pelos antropólogos forenses em 2015. Se esse ponto for preservado, seria importante incorporar imagens de pessoas de todos os povos do mundo. , em taxas iguais, independentemente do tamanho ou do número total de imagens disponíveis. Muitas pessoas torceram o nariz, mas pelo menos teríamos algo novo e completamente desconectado do discurso empobrecedor do novo normal: o primeiro projeto religioso divertido do milênio.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *