Trump admite pela primeira vez que ordenou um ataque cibernético contra robôs russos – 13/07/2020

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, confirmou em uma entrevista ao The Washington Post que ordenou um ciberataque militar secreto contra robôs russos para interromper o acesso à internet durante as eleições de senadores e deputados de 2018.

Foi a primeira vez que Trump reconheceu o ataque ao IRA da Rússia (abreviação de Internet Research Agency), considerado um trolley pelo governo dos EUA e acusado de interferir nas eleições de 2016 (presidencial) e 2018. (mandato) no país.

Perguntado pelo colunista Marc Thiessen, que foi redator de discurso do presidente George W. Bush e secretário de Defesa Donald Rumsfeld, se ele havia autorizado a operação, Trump disse: “Correto”. O texto foi publicado na última sexta-feira (10), mas até agora nem a Casa Branca nem o Pentágono confirmaram a operação, que havia sido classificada como confidencial.

Durante a entrevista, o presidente dos Estados Unidos disse que, em 2016, o ex-presidente Barack Obama sabia antes das eleições que a Rússia estava “brincando” com os Estados Unidos.

“Se ele era ou não [informado], quem sabe? E não disse nada. E a razão pela qual ele não disse nada foi porque ele não queria mencionar, porque ele pensou [Hillary Clinton] Eu estava ganhando porque tinha lido as pesquisas por telefone. Então ele pensou que ela ia vencer, mas tivemos uma maioria silenciosa que disse ‘não, queremos Trump’ “, disse ele na entrevista.

Trump diz que, ao contrário de Obama, ele ordenou que os serviços de inteligência atuassem para impedir a interferência russa nas eleições de 2018 ao lançar um ataque cibernético. “Olha, nós o paramos”, disse ele a Thiessen.

Administração Obama Pediu publicamente explicações ao presidente russo Vladimir Putin em outubro de 2016 para a invasão dos computadores democratas. Em dezembro de 2016, o então presidente americano sanções impostas à Rússia devido à sua interferência nas eleições presidenciais, expulsando alguns diplomatas em retaliação.

O Washington Post publicou pela primeira vez a existência do ataque em outubro de 2018, mas nunca havia sido confirmado pelo governo.

Na entrevista de sexta-feira, Trump disse que o ataque cibernético fazia parte de uma política mais ampla para enfrentar a Rússia. “Ninguém foi mais duro com a Rússia do que eu”, disse ele. A admissão teme que o país tente atrapalhar a eleição presidencial dos Estados Unidos, prevista para este ano.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *