Trump é um político que se comporta como um jogador | Jornal nacional

Em exatamente oito dias, os Estados Unidos elegerão o presidente para os próximos quatro anos. A partir desta segunda-feira (26), o Jornal Nacional inicia uma série de reportagens sobre essa disputa que todos acompanham com a máxima atenção. A primeira é sobre o candidato à reeleição.

Donald John Trump inaugurou a presidência dos fatos alternativos. Ele insistiu na falsa alegação de que a cerimônia de abertura atraiu um público recorde. Quatro anos depois, agora soma mais de 20.000 declarações enganosas, de acordo com o Washington Post.

Trump é um político que se comporta como um jogador que gosta de agradar à multidão e zombar dos adversários. Na opinião da base fiel, ele é o presidente que cumpriu sua promessa. Ele nomeou juízes conservadores para a Suprema Corte, cortou impostos e está construindo um muro na fronteira com o México.

Mas, do ponto de vista dos críticos, Donald Trump é o pior presidente da história do país. Os oponentes chamam Trump de racista, que hesita em criticar publicamente os supremacistas brancos; um xenófobo que chocou o mundo ao separar sistematicamente as crianças de seus pais na fronteira com o México; E isso proibiu pessoas de países de maioria muçulmana de entrar nos Estados Unidos.

Os defensores veem Trump colocar os Estados Unidos em primeiro lugar, endurecendo-se com a China e saindo unilateralmente do Acordo Climático de Paris e do Tratado Nuclear com o Irã.

A oposição diz que Trump é o presidente que traiu aliados tradicionais, perdeu a guerra comercial com a segunda maior economia do mundo e estendeu a mão para ditadores e governos autoritários. A suspeita de colaboração entre membros de sua campanha e o governo russo dominou o início da legislatura.

Apesar disso, foi um telefonema para o presidente da Ucrânia, não para a Rússia, que fez de Trump o terceiro presidente na história dos Estados Unidos a ser indiciado.

De acordo com a promotoria, Trump abusou do poder da presidência ao pedir ao governo ucraniano que investigasse um oponente político, Joe Biden. Nos Estados Unidos, o impeachment ocorre quando a Câmara envia uma queixa contra o presidente ao Senado. O presidente permanece no cargo até que a reclamação seja finalizada. Aconteceu com Trump. O presidente foi finalmente absolvido pelo Senado, com maioria dominante, e permaneceu no poder.

A fuga de desastres iminentes tem sido uma constante na vida de Donald Trump. Em 2004, atolado em dívidas, Trump apresentou uma imagem de sucesso em um reality show. O programa fortaleceu ainda mais a própria marca do sobrenome.

Edward Mccaffery é advogado e professor de direito tributário na University of Southern California. Ele explicou que, assim, Trump foi capaz de adiar o pagamento da dívida e obter empréstimos ainda maiores. Mas a fonte começou a secar.

O professor fez uma declaração comum entre os opositores do presidente, que em 2015, Donald Trump anunciou sua candidatura porque estava falido e cheio de dívidas a pagar. “O objetivo era ganhar visibilidade para obter novos empréstimos”, disse o professor. E Mccaffery acrescentou, repetindo algo que muitos analistas dizem, mas Trump nunca admitiu: “Ele não queria necessariamente vencer.”

A revelação do New York Times de que Trump deve mais de US $ 2 bilhões em dívidas e paga muito pouco em impostos é outra mancha no currículo de sucesso de Trump.

O presidente não negou que tem dívidas desse porte, mas disse que são pequenas, próximas do valor de seus investimentos. Trump também minimizou a seriedade da investigação criminal que busca descobrir se ele cometeu fraude para obter empréstimos bancários mais favoráveis. Mas a oposição vê a dívida e as investigações como outra motivação para Trump não querer deixar o cargo mais poderoso do mundo tão cedo.

Até o início de 2020, o plano de reeleição parecia bastante avançado. O presidente estava apostando todas as suas fichas na economia em expansão. Quando a Covid-19 atingiu fortemente os Estados Unidos, Donald Trump suspendeu os voos da China, mas minimizou a gravidade da pandemia. Desprezava o uso de máscaras, via as medidas de isolamento social anunciadas pelos governadores como sabotagem política. Atualmente, os Estados Unidos são o país com mais casos e mais mortes pela doença.

O professor de ciências políticas da Brown University, James Morone, explica que Trump exibiu uma capacidade impressionante de manipular fatos e entregar narrativas convincentes a seus apoiadores. Mas quando ele mais queria mostrar que a pandemia não era grande coisa, ele, a primeira-dama e mais de 20 funcionários da Casa Branca adoeceram. O professor disse: “Isso colocou Covid no centro das atenções.”

Com a reeleição ameaçada, Trump passou os últimos meses questionando a credibilidade do sistema eleitoral. “Esta é sua última carta. Donald Trump é um jogador, e causar essa confusão é o último recurso que ele possui”, disse o professor James Morone.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *