Tudo começou com o telefone: por que as falhas de computador são chamadas de “bugs”? – 18/05/2020

Tudo começou com o telefone: por que as falhas de computador são chamadas de "bugs"? - 18/05/2020

Perguntado por Rita Santan Giura, de Formiga, MG Deseja enviar uma pergunta também? Clique aqui

Caro cidadão de Antígua, O primeiro erro de computador apareceu em Harvard, mas deixarei esta história para contar no final. É que o histórico de erros de chamada, defeitos ou defeitos presentes nas máquinas como “insetos” (erros, em inglês) é mais antigo que o próprio computador.

O registro mais antigo da palavra erro para se referir a defeitos é da década de 1870. Além de inventar a lâmpada elétrica e o fonógrafo, Thomas Edison também involuntariamente inventou o novo jargão. Em uma carta sobre melhorias no telefone, Edison escreveu:

“Você estava parcialmente certo, eu encontrei um ‘erro’ no meu dispositivo … O bug parece encontrar condições para sua existência em todos os dispositivos de telefone.”

Imagem: Reprodução

Desde essa menção a Edison, o termo se espalhou como gafanhotos, e deixou de se referir a erros literais como a causa das falhas.

No século 20, o jargão apareceu no anúncio de uma das primeiras máquinas de pinball, a Baffle Ball, em 1931. O fabricante garantiu que não havia erros no jogo (“não há erros neste jogo”).

reprodução
Imagem: Reprodução

Na década seguinte, na década de 1940, a palavra erro foi usada para se referir a defeitos nas máquinas da Segunda Guerra Mundial e também começou a aparecer na indústria de arte e entretenimento.

No filme “Flight Command” (1940), lançado no Brasil como “Asas nas Trevas”, o erro ocorreu nas engrenagens dos aviões. No livro “We Took the Woods” (1942), a autora Louise Dickinson Rich fala sobre erros, desta vez literais, que interferem na operação de uma máquina de cortar gelo na superfície de lagos e rios.

E até Isaac Asimov, um dos maiores autores de ficção científica da história, mencionou falhas indesejáveis ​​que ocorreram em um robô no início de seu conto de 1944, “Catch That Rabbit”.

E foi nessa década, mais precisamente em 1947, que os “insetos” se estabeleceram no mundo da tecnologia da informação. O primeiro erro conhecido na história da computação foi um inseto real, mais precisamente uma mariposa com uma envergadura de 5 cm que foi freqüentada por Harvard, como mencionei no começo.

Observando erros na operação do Mark II, um dos primeiros computadores modernos, dos quais eram gigantes e ocupavam grandes salas, a equipe abriu a máquina para procurar defeitos físicos e encontrou o inseto dentro.

A história ficou famosa por relatos da pioneira em programação Grace Hopper, embora quem tenha encontrado o erro ainda seja desconhecido.

O fato é que a famosa mariposa foi registrada nos registros diários da Mark II e transformada em peça de museu. Classificado como “o primeiro caso real de erro encontrado”, está em exibição no Museu Nacional de História Americana, em Washington DC, EUA. EUA

reprodução
Imagem: Reprodução

Desde então, o termo se espalhou por toda a comunidade de TI até se tornar popular além dos círculos dos computadores.

Você se lembra do erro do milênio, que deve ocorrer entre o final de 1999 e o ano de 2000? Esse possível erro de configuração do sistema, que poderia causar interrupções em escala global, foi contornado por programadores em todo o mundo e não resultou em grandes perdas.

Por outro lado, em um estudo publicado em 2017, a empresa de teste de software Tricentis estimou que as falhas de software geraram perdas de cerca de 1,7 bilhão de dólares no ano. Pequenos insetos, grandes danos.

Tenho uma pergunta? Deixe nos comentários ou envie para nós através do WhatsApp.

SIGA A INCLINAÇÃO NAS REDES SOCIAIS

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *