Ubers e caminhões autônomos não aceitam trabalho de motorista, defende Waymo – 30/06/2020

Uma tecnologia que substitui completamente os seres humanos na direção de um carro não é mais ficção científica desde 2018 no estado do Arizona, EUA. É lá que Waymo, uma unidade de veículos autônomos da Alfabeto, a empresa proprietária do Google, já testa passageiros em grande estilo Uber. Bem, é o fim do condutor humano? A empresa não jura.

“Nossa missão é a segurança e não terminar trabalhos ou tirar pessoas de seus negócios”, disse o gerente de produto da Waymo, Sugandha Sangal, em um webinar Innovalab – evento em linha Apoiado por Inclinação que traz os principais líderes na área de tecnologia, ciência e inovação. No entanto, ele não mencionou como isso funcionaria no ramo de motoristas profissionais.

Outras empresas como Tesla e Uber também estão pesquisando e testando suas próprias tecnologias de automóveis autônomos.

A Waymo já oferece esse serviço no modelo de negócios de aplicativos como Uber, 99, Cabify e outra. Usuários do Arizona podem criar um registro de aplicativo Waymo Um no seu smartphone, com seus detalhes e um cartão de crédito para cobrança. Para solicitar a corrida, basta inserir sua localização atual e seu destino final. ELE inscrição Calcule a hora de chegada do carro no local e na rota. A única diferença é que não há driver.

A empresa opera centenas de minivans autônomos nos subúrbios de Phoenix, Arizona, e possui uma base de cerca de 1.000 clientes. E para aqueles que ficariam surpresos por estar em um carro sem um humano ao volante, Sangal insiste na chave de segurança como um pilar de Waymo.

“Nossa missão é construir o motorista mais seguro do mundo e a missão desse ‘motorista’ é levar as pessoas de um ponto a outro de uma maneira muito mais segura [do que o atual feito por humanos]. A segurança é o principal objetivo da empresa “, diz ele.

Até caminhões?

A conversa não para no transporte de passageiros. O executivo defendeu a existência de uma demanda crescente da sociedade por serviços de transporte e logística.

Ao mencionar outro produto da empresa, Waymo Via, Sugandha Sangal disse que existem muitas vagas em todo o mundo para motoristas de caminhão, porque o setor de logística sofreu ao longo dos anos com a redução na oferta de “humanos que eles querem trabalhar neste setor “.

“Não temos humanos suficientes que desejam fazer esse tipo de trabalho. Já existe uma lacuna entre a necessidade de transportar mercadorias e a falta de humanos que desejam trabalhar no setor. (…) Precisamos fazer algo para aumentar a oferta de transporte de mercadorias. “ele explicou, sem detalhar a fonte dessa informação.

Pelo menos no Brasil, a profissão de motorista de caminhão é a quinta mais afetada pela evolução da automação, segundo pesquisa da Laboratório do Futuro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), desde o final do ano passado.

Carro à prova de acidentes?

A empresa diz que sua principal missão é aumentar a segurança nas ruas, evitando acidentes e mortes. O gerente de produto da Waymo argumentou que seus carros autônomos dirigem melhor que os humanos.

As razões? Como não se distraem, não estão cansados, não “bebem” álcool antes de iniciar uma corrida, nem são tentados a exceder os limites de velocidade, que ela diz serem as principais causas de acidentes nos Estados Unidos.

Sugandha Sangal também explicou que os carros autônomos têm três sistemas (Vision, Lidar e Radar) que permitem que os carros “vejam e percebam” outros veículos, transeuntes, semáforos, objetos e interseções ao redor deles.

  • A primeira funciona como uma câmera que oferece informações semelhantes às que o olho humano vê quando está ao volante;
  • O segundo mede a distância dos outros elementos ao redor do carro autônomo, o que é importante principalmente quando há pouca luz e as câmeras não conseguem capturar esses objetos e pessoas;
  • O terceiro, por sua vez, entende como os elementos se movem para fora do carro e a que velocidade.

Usando inteligência artificial, o carro usa um banco de dados compilado a partir de excursões e simulações. Com as informações capturadas pelos sensores, é possível prever os movimentos desses elementos externos, tomar decisões e, de acordo com a empresa, evitar acidentes.

No entanto, no início deste ano, uma das minivans autônomas da Waymo esteve envolvida em um acidente em Tempe, Arizona. Um ex-funcionário da empresa acabou sendo preso um mês depois de ser acusado de forçar o veículo a cair.

De acordo com a mídia local, o homem de 31 anos, de forma imprudente, dirigiu um Mazda ao redor da minivan, esquivando-se da frente do carro e acionando os freios, causando o acidente do carro.

Em 2018, um dos carros da empresa também se envolveu em um acidente em Chandler, também no Arizona. Imagens do veículo na época mostraram que ele não era responsável pelo acidente, mas o motorista de uma Honda que passou por um sinal vermelho. A baixa velocidade na qual o carro de Waymo estava dirigindo teria impedido que o acidente tivesse conseqüências mais graves. Nos dois casos, houve apenas ferimentos leves.

Quando perguntados sobre como a tecnologia reagiria a emergências fundamentalmente humanas, como ter um passageiro em trabalho de parto, Sugandha Sangal disse que, embora os veículos tenham um botão para entrar em contato com os serviços de emergência, a falta do fator humano nesse tipo de situação. continua sendo um problema não resolvido. “É algo que devemos pensar”, diz ele.

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *