Uma entrevista com Lula. A segunda parte

Uma entrevista com Lula. A segunda parte

Eu realmente quero polarizar. Eu quero ter debates ideológicos profundos. Quero que as pessoas saibam que não há ensino em nenhum lugar que uma pessoa tenha que passar três dias sem comida. – Lula

Em janeiro de 2020 Fio Brasil Daniel Hunt e Brian Mier, em associação com Michael Brooks, apresentador de o show de Michael Brooks, entrevistou o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva na sede do Partido dos Trabalhadores (PT) em São Paulo. A entrevista foi o culminar de um processo de 6 meses que começou com a apresentação de um pedido no sistema judicial de Curitiba para entrevistá-lo enquanto ele ainda era um preso político devido a um procedimento judicial de babá que filtragem mensagens de mídia social postadas por Glenn Greenwald O Now Show foi projetado para catapultar o neofascista Jair Bolsonaro para a presidência. Enquanto nos preparávamos para a entrevista, tomamos a decisão de não interrogá-lo sobre sua prisão, como a maioria dos entrevistadores fez recentemente. Em vez disso, decidimos focar em questões relacionadas ao legado de um líder e presidente sindical historicamente importante, o imperialismo dos EUA, e em como superar o ressurgimento do fascismo no cenário mundial. A seguinte transcrição editada representa a Parte 2 da entrevista. (A Parte 1 pode ser lida aqui). O vídeo foi filmado por Borda da democracia o diretor de fotografia Ricardo Stukert e o produtor de TeleSur Nacho Lemus e pode ser visto em o show de Michael Brooks Canal do Youtube, aqui.

Michael Brooks: Presidente Lula, quero perguntar a você, como ex-organizador sindical e amigo do trabalho, sobre o que chamamos de economia de concertos ou economia de Uber. Um grande problema nos Estados Unidos, e acho também no Brasil, é que essas empresas do Vale do Silício projetam modelos de negócios para poder dizer, por exemplo, que os motoristas da Uber não são trabalhadores de verdade, são autônomos e não são realmente um funcionário da empresa, que eles dizem ser uma plataforma e não uma corporação com trabalhadores comuns. Trabalhadores são isolados. As pessoas no exemplo do Uber estão em seus próprios carros, não podem ser encontradas e não têm oportunidades de se organizar. As empresas cortam todos os salários por design. Eles podem perder dinheiro por um longo tempo. Eles obtêm capital de risco e redesenham o mercado para desenvolver a força de trabalho. Qual é a estratégia de trabalho para responder a essa economia do Gig no Brasil, nos Estados Unidos e internacionalmente?

Lula: Tentei aprender sobre esse assunto com os líderes sindicais brasileiros, porque é uma das minhas preocupações como ex-líder sindical. Não sei se você sabe disso, mas desde a queda dos Lehman Brothers, 125 países ao redor do mundo promulgaram reformas nas leis trabalhistas para eliminar os direitos dos trabalhadores, não para melhorar os direitos trabalhistas. Em outras palavras, é quase como se estivéssemos voltando aos dias da escravidão. Ele trabalha sem saber se terá um emprego no dia seguinte, ele trabalha sem a garantia do seguro contra acidentes, ele trabalha sem saber se algum dia será capaz de se aposentar e ele trabalha com seus próprios ativos que ele pode perder se um acidente de carro entrar.

Existem muitas pessoas qualificadas, incluindo engenheiros, pessoas que trabalharam no Congresso Nacional e outros funcionários do governo que foram demitidos e não têm emprego e agora estão trabalhando para a Uber. É como um bote salva-vidas. Quando um navio afunda, você entra em um daqueles pequenos barcos e pensa que está salvo, mas não está tão seguro lá como estaria se estivesse em um navio grande. O sistema financeiro e a mídia e elites brasileiras vendem a idéia de que o Brasil está evoluindo porque elimina os direitos trabalhistas dos trabalhadores e porque dificulta a obtenção de aposentadorias. Não sei se eles viram isso na mídia brasileira, mas há uma fila de quase 2 milhões de brasileiros esperando para se aposentar, e o presidente disse que contratará 4.000 reservistas do exército para resolver o problema do sistema de aposentadoria. Quando ele foi presidente, começando em 2007 e depois durante o governo Dilma Rousseff, levou 30 minutos para um trabalhador se aposentar oficialmente. Meia hora. Os trabalhadores não precisavam buscar seus benefícios de pensão porque a administração da pensão processaria os trabalhadores. O departamento de pensão entrará em contato com o trabalhador e perguntará: “Você concluiu seu tempo de serviço? Você tem o direito de se retirar. Entre no escritório de pensão. Fomos nós que comunicamos isso. Tivemos casos de trabalhadores que saíram em 5 minutos. Tudo o que você precisa fazer é olhar para as manchetes dos jornais da época e confirmará esse milagre. Tudo isso foi desmontado no Brasil. Então, acho que agora as pessoas estão sendo educadas e dizem: “A pessoa que trabalha na Uber é um microempresário”. Eu disse em uma entrevista outro dia que quando eu tinha 20 anos eu trabalhava como operador de torno e naquela época não tínhamos a palavra “microempresário”, não a chamamos de “empreendedorismo”. Eu queria abrir um bar. Eu pensei que a melhor coisa do mundo seria não ter um chefe. Eu queria ser meu próprio chefe. Hoje é chamado de “empreendedorismo”. Agora, um cidadão trabalha em um Uber e ele não tem nenhum tipo de segurança, ele não tem benefícios de aposentadoria e não sabe quanto dinheiro ganhará naquele mês. Conheço pessoas que não podem pagar seus carros, vender seus carros e começar a alugar. Eles pagam taxas de aluguel de R $ 1600 / mês e às vezes ganham apenas R $ 1600 / mês. As pessoas fazem isso porque não têm mais nada para fazer, não têm outro emprego porque não há oportunidades. Então eles entregam pizza de bicicleta agora na chuva. Na semana passada, estava chovendo muito em São Paulo e vi um homem pobre entregando uma pizza em sua bicicleta porque não tinha outra maneira de sobreviver. Sem emprego: devemos dizer “graças a Deus” que as pessoas concordam em fazer isso em vez de se tornarem assaltantes. É melhor trabalhar do que comprar um revólver e parar a primeira pessoa a passar na sua casa. então o que devemos fazer? Precisamos recuperar os direitos dos trabalhadores. Pessoas morreram durante greves históricas para as mulheres obterem o direito a um dia de trabalho de 8 horas em Chicago. Houve mortes nos Estados Unidos, no Brasil, na Suécia. Houve trabalhadores que morreram lutando pelo direito a uma semana de trabalho de 48 horas e pelo direito de se aposentar. Tudo isso agora está sendo descartado para o benefício dos empregadores. Hoje, a maioria dos empregadores é representante do sistema financeiro. É a financeirização da economia. Você não sabe mais quem é o proprietário de uma empresa. Agora eles são todas as empresas. É um grupo inteiro de fundos de investimento e as pessoas ganham dinheiro especulando em vez de produzir e vender papel. Em Cingapura, um grupo de pessoas criou um fundo para proteger os funcionários da Uber. E quando eles se organizaram, acho que foram 6.000 trabalhadores que organizaram esse fundo, eles abordaram a Uber para negociar os direitos dos trabalhadores. Obviamente, os trabalhadores terão que encontrar uma maneira de se organizar porque, se não o fizerem, a situação ficará muito ruim. Eu acho que é apenas uma questão de tempo. O movimento sindical terá que encontrar uma maneira de organizar esses trabalhadores que trabalham de maneira tão precária, sem direitos, sem garantias, porque precisam sustentar suas famílias e pagar suas contas de energia e água no final do mês. É uma vida difícil, mas tenho certeza de que encontraremos uma solução. E é por isso que digo que o PT deve continuar lutando. Sempre que o PT tiver dúvidas sobre o que fazer, deve se lembrar por que ele foi criado. Se alguém tiver alguma dúvida sobre de que lado o PT está e com que lutas ele deve lutar, deve se lembrar por que o PT foi criado.

Quando François Hollande foi eleito Presidente da França, ele veio para a Rio + 20 no Brasil. Eu o recebi aqui e começamos a conversar e, a certa altura, eu disse: “deixe-me dar um conselho. Você sabe por que ganhou a eleição. Pegue o programa que você usou para vencer a eleição, coloque-o no poste da cama e todas as manhãs quando acordar, antes de lavar o rosto, leia os discursos que você fez para vencer a eleição para não se esquecer. “Fui visitar Obama durante o início de seu mandato e eu disse: “Obama, você é um dos únicos presidentes do mundo que não terá problemas para governar. “Ele disse:” Por quê? “E eu disse:” Tudo o que você precisa fazer é mostrar a coragem dos negros que votaram em você para governar o país. “É preciso coragem para fazer as coisas de maneira diferente do que normalmente fazem. É assim que você pode governar o país e as coisas vão funcionar porque quando você vence uma eleição, a primeira coisa que acontece é que as elites e os grandes negócios, mesmo que nunca tenham gostado deles, serão as primeiras pessoas a apoiá-lo.É difícil.As pessoas que você nunca conheceu baterão à sua porta todos os dias. E as pessoas pobres que votaram em você não poderão mais vê-lo. “

Então, minha querida, há muitas coisas que precisamos aprender a fazer. Eu iria a um evento e gostaria de abraçar e beijar pessoas na bochecha e a segurança não permitia. Eu tive que girar em um carro blindado. Eu disse aos meus conselheiros: “É engraçado. Quando corremos para o cargo, dirigimos um conversível acenando para todos, mas depois que vencemos, eles não deixam mais você dizer oi para as pessoas”. Quando um VIP visita o Presidente, não há segurança. Mas quando as pessoas pobres chegam, há segurança. É incrível. Portanto, é uma experiência de aprendizado. É por isso que eu queria voltar em 2018. É por isso que queria ser presidente novamente, porque aprendi a fazer muitas coisas depois de deixar o governo. É possível fazer muito mais, muito mais. Você não precisa radicalizar as coisas, apenas obedeça à Constituição. Siga a constituição, siga a Declaração dos Direitos Humanos da ONU e siga a Bíblia. Está tudo lá. As pessoas têm que ter casas, escolas, empregos, salários e comida. Tudo está escrito lá. Não há lei que as pessoas tenham que ficar sem comida. Enquanto isso, existem grandes empresas do Vale do Silício que coordenam a Internet. Pensamos que a mídia poderia ser muito mais democrática. Hoje existem meia dúzia de empresas que coordenam tudo. Eles até falsificam as eleições. Se as pessoas não se importam, elas se transformarão em algoritmos. Eles saberão o que você pensa, o que você faz e o que você gosta de comer. Eles começarão a interferir e a contar mentiras. Foi o que aconteceu nas eleições americanas, nas eleições brasileiras e nas eleições húngaras.

Brian Mier: Quando TeleSur Nacho Lemus o entrevistou recentemente e disse acreditar que potências estrangeiras estavam envolvidas nos protestos de junho de 2013 no Brasil. Imediatamente depois, ele foi atacado por brasileiros de vanguarda, que o acusaram de reduzir o que havia acontecido com uma mera intervenção da CIA. Sei que o PT adota historicamente uma visão gramsciana do estado integral: não é apenas sobre o governo, mas também sobre as corporações. Você poderia explicar exatamente a que estava se referindo quando disse que houve interferência externa em 2013?

Lula: Esta pergunta é importante porque me permite explicar claramente o que eu disse durante a outra entrevista. Eu não disse que a CIA iniciou o movimento. O movimento começou nos protestos de pessoas que lutavam pelo direito ao transporte coletivo em várias capitais brasileiras e esse era um movimento social legítimo. Mas depois que começou, depois que os blocos pretos apareceram e começaram a quebrar algumas coisas, o movimento assumiu o controle. Não foi o movimento de transporte que levou 1 milhão de pessoas da classe média às ruas para protestar contra o governo, contra a Copa do Mundo e contra quase tudo o que estava acontecendo no Brasil. TV de balão Eu nunca tinha interrompido novelas antes de espalhar um protesto contra aumentos de transporte ou qualquer protesto de trabalhadores, nunca de repente TV de balão, SBT, Bandeirantes y Record todo mundo estava convidando as pessoas para as ruas às 7h, meio-dia, 15h Eles convidaram as pessoas como se anunciassem uma festa. As marchas de protesto foram transmitidas pela televisão ao vivo, algo que nunca havia acontecido antes na história do Brasil. Então, se é verdade que começou aqui em São Paulo como um movimento para lutar por uma redução de 20 centavos na tarifa de ônibus, essa luta foi assumida por outros interesses. As coisas estão mais claras para mim hoje do que estavam naquela época, mas não acho que descobriremos exatamente quem estava por trás de tudo isso muito rapidamente.

Lembro-me da primavera árabe. Lembro-me da queda de Mubarak. Mubarak realmente teve que cair. Ele era um ditador que estava no poder por muitos anos. Mas então as pessoas escolheram Morsi. E quanto tempo levou Morsi para fora? E quem está aí agora? Se é verdade que o povo estava lutando pela democracia, o que eles estão fazendo agora com três generais que lideram o Egito, sem mais protestos e sem mais marchas? O mesmo aconteceu na Turquia. Erdogan nos ligou em 2013 e disse que “este não é um movimento que tenta melhorar uma praça pública, eles querem derrubar o governo”. Portanto, tenha cuidado no Brasil. “

Portanto, tenho muitas razões para suspeitar do que aconteceu aqui no Brasil, antes de mais nada, porque nenhum sindicato protestou contra o governo. Não sabíamos o que era esse movimento. Ele parecia ser contra quase tudo e favorável a um segmento da sociedade. Parecia ser anti-PT, anti-Dilma, anti-Copa do Mundo e anti-Olimpíada, então escrevi um artigo para ele New York Times em que eu disse “as pessoas que se acostumaram a comer lombo querem filé mignon”. Era o que eu pensava na época, mas hoje acho que havia muito mais do que isso. Não era apenas econômico, era político. Portanto, desconfio muito do que aconteceu aqui, do que aconteceu recentemente no Equador, do que aconteceu na Argentina e do que aconteceu na Bolívia. Qual foi a lógica por trás do que eles fizeram comigo na Operação? Lava Jato? Qualquer advogado que veja o caso pode ver as mentiras sendo contadas e a farsa que estão me causando. Esse ataque à lei, que foi descoberto por meus advogados, é um dos tópicos mais comentados nos círculos jurídicos do mundo hoje. É uma maneira mais moderna e eficiente de destruir uma democracia e acabar com a representação popular do voto. Foi o que eles fizeram aqui. Foi o que fizeram na Bolívia e tentaram fazê-lo com Rafael Correa no Equador. Portanto, desconfio profundamente dessa legalização da política mundial.

Acho que devemos ter em mente que uma pessoa honesta e séria não mentirá e espalhará notícias falsas. Não mentira WhatsApp. Mas uma pessoa que não tem valor, dignidade ou moralidade vive de mentiras. Vi uma notícia que Trump conta 12 mentiras por dia. Não tenho certeza se eram 12, mas vi em um jornal em algum lugar. Como um presidente pode mentir 12 vezes por dia? Veja os tweets de Bolsonaro e quantas mentiras ele conta. Quando uma pessoa se torna presidente da República, ela tem que ser responsável. Não é um trabalho pequeno, é um trabalho muito grande. E temos que lembrar a respeitabilidade que as pessoas têm com a instituição. Estou profundamente preocupado com um certo tipo de movimento iniciado na Itália e em outros países. A democracia precisa ser fortalecida. Os partidos políticos precisam existir. Quem pensa que existe uma solução fácil para a humanidade fora da política deve entender que o que vem depois da política sempre será pior. É por isso que eu defendo a política e os partidos políticos. Se um político não é bom, troque-o. Substitua-o. O que você não pode fazer é acreditar que existe um salvador nacional do mundo dos negócios que vai salvar a todos. Somente a democracia e o exercício da democracia em sua plenitude resolverão o problema dos conflitos em todo o mundo e reduzirão a demanda por guerra. Você acha que faz sentido para Trump ordenar o assassinato de um general iraniano no Iraque? Qual é a lógica por trás disso? O mundo precisa de paz. O mundo precisa de esperança. O mundo precisa que as pessoas acordem todas as manhãs pensando que será um bom dia. Quem se beneficiaria de uma guerra com o Irã agora? Quem venceu a guerra no Iraque? Vi Trump reclamar no outro dia em que o Irã conquistou o Iraque agora, que a maioria deles é xiita e agora gosta do Irã. Mas foram os Estados Unidos que começaram a guerra. Eu me encontrei com Bush na época em que os Estados Unidos começaram a guerra, em 2003. Mais tarde, eu me encontrei com Clinton em Davos e ele disse: “Bush fará uma pequena pesquisa. Se você vir que isso irá ajudá-lo nas eleições, você atacará o Iraque. “E fez isso em troca de quê? A vida do povo do Iraque melhorou? A democracia no Iraque melhorou? Nada melhorou. Está melhor agora. Hoje é pior. Hoje Você tem uma sociedade nômade que viaja pelo mundo composta de pessoas que foram contratadas para assassinar, realizar golpes e guerras.Eu acho que os líderes do governo que gostam de democracia terão que trabalhar muito para restaurar os valores democráticos. sem democracia, não vamos a lugar algum, por isso espero que, nas próximas eleições nos Estados Unidos, as pessoas possam escolher alguém comprometido com a democracia, a paz e o desenvolvimento, alguém comprometido com a harmonia entre os pessoas e não alguém que gosta de guerra.

Daniel Hunt: Meu próprio país, o Reino Unido, é geralmente considerado um fantoche dos Estados Unidos, mas tem sua própria política externa na América Latina, que se intensificou nos últimos 10 anos de governo conservador. Quais foram suas experiências com os governos do Reino Unido e qual sua opinião sobre as relações entre o Reino Unido e o Brasil agora?

Lula: Vou lhe contar uma novidade. Quando fui líder sindical aqui na cidade de São Bernardo do Campo durante os anos 80, participei de uma greve na Inglaterra, quando os mineiros entraram em greve por 11 meses e Margaret Thatcher os derrotou. Passei dois dias lá fazendo discursos e marchando com os mineiros.

O relacionamento do Brasil com o Reino Unido é muito respeitoso. Houve um tempo no Brasil em que a figura da rainha era algo que era visto além da compreensão normal dos seres humanos. Não sei se você sabe disso, mas aqui no Brasil eles ainda fazem coisas como transmitir um verdadeiro batismo na televisão. A Inglaterra tem a única rainha que ainda mantém o poder da coroa.

Eu tive um relacionamento bom e respeitoso com Tony Blair e tive um bom relacionamento com Gordon Brown. Esses foram os dois governos com quem eu tive contato. O papel de Tony Blair na decisão de ingressar na guerra no Iraque foi lamentável. Ele sabe. Ele é abordado regularmente nas ruas de Londres devido à guerra no Iraque. Eu sabia que não havia armas químicas no Iraque. Você sabe por que também sabíamos disso? Porque o secretário que assumiu o departamento de armas nucleares da ONU era brasileiro. Foi o embaixador Bustani. Foi o secretário que lidou com armas químicas. E ele se cansou de dizer: “eles não os têm”. Os americanos ordenaram que Fernando Henrique Cardoso eliminasse Bustani por causa disso. Então, eles nomearam alguém do Japão que disse que ele os tinha. Quanto tempo se passou desde que invadiram o Iraque? Onde estão as armas químicas? As únicas armas químicas que eles tinham lá eram o próprio Saddam Hussein, que mentia para o seu povo o tempo todo, e Bush, que mentia para o mundo o tempo todo.

Devo dizer que estou um pouco orgulhoso que Tony Blair e Gordon Brown tenham me ajudado durante o início do meu governo. Eles foram muito gentis. Eu acho que foi porque eu sou um ex-operário de fábrica. Quando Gordon Brown estava no comando da economia britânica, ele ajudou muito. Ele falou bem do Brasil em jornais estrangeiros e isso nos ajudou muito. Eu tive um relacionamento muito bom com eles. Foi mais forte com Gordon Brown, que achei mais sério e comprometido. Mas, do ponto de vista comercial, não era grande coisa. Acho que o comércio com o Reino Unido atingiu US $ 8 bilhões. É muito pequeno porque o Brasil não se leva muito a sério nessas partes do mundo. O Brasil não possui poder político internacional, por isso não é levado em consideração muito. Isso foi levado em consideração um pouco mais durante o nosso mandato, talvez porque eu tenha sido o primeiro metalurgista a se tornar presidente. Mas a verdade é que Evo Morales e eu sempre fomos homens estranhos. Imagine Evo, um produtor de coca indiano, como presidente da Bolívia. Eu conheci Gonzalo, o presidente boliviano. Acho que ele renunciou em 2003 e nem sequer falava espanhol. Ele queria me explicar algo em inglês porque tinha dificuldade em falar espanhol e era o presidente da Bolívia. Evo Morales era um verdadeiro presidente. Implementou políticas de inclusão social, reduziu a inflação, criou empregos e aumentou as reservas externas da Bolívia, que agora são maiores que o valor do PIB. Agora as elites o depuseram.

Em resumo, tenho boas lembranças da Grã-Bretanha e sou grata por toda a solidariedade que o Partido Trabalhista me deu quando estive recentemente na prisão. Vou enviar uma carta agradecendo a Jeremy Corbyn por todo o trabalho que ele fez em solidariedade contra minha prisão injusta. Espero que o Brasil entenda que a Grã-Bretanha é politicamente importante e mantenha relações saudáveis ​​com ela, para que sempre deixe uma porta aberta para o Brasil e outros países.

Michael Brooks: O presidente Lula citou recentemente Mia Couto, que disse que quando as pessoas têm medo de escolher monstros para protegê-los. Eu quero saber duas coisas sobre isso. Primeiro, sei que precisamos de um programa intelectual, mas existem qualidades espirituais ou emocionais que um líder precisa para ajudar a remover o medo das pessoas e dar-lhes uma sensação de esperança? E, se eu puder, Bernie Sanders é esse tipo de líder?

Lula: Não tive o prazer de conhecer Sanders. Conheço-o da imprensa e de pessoas que o conheceram e conheço-o pelas coisas que ele disse em solidariedade comigo. Ele conversou com um colega do PT, Fernando Haddad, e minha impressão sobre ele é a mais alta possível. A impressão que tenho de sua última campanha é que, embora ele não tenha conseguido vencer as primárias democratas, ele teve uma campanha muito empolgante para jovens com um bom discurso de que, pelos padrões americanos, era muito de esquerda. Durante 20 anos, toda vez que visitei os Estados Unidos, tentei ver se encontrava esquerdistas em um bar americano e nunca o encontrei. Então, quando alguém como Sanders aparece, são notícias extraordinárias. É esperançoso saber que você tem alguém no Senado de uma certa idade, acho que ele é tão velho quanto eu, que tem uma vontade forte. Eu acho que isso é importante porque um país que tem uma economia do tamanho dos Estados Unidos poderia realmente melhorar a qualidade de vida de seu povo se parasse de se preocupar tanto com guerras e gastando tanto dinheiro com forças armadas e espionagem. Você poderia usar parte desse dinheiro para melhorar a qualidade de vida das pessoas pobres nos Estados Unidos que também não estão vivendo bem e que têm problemas de saúde. Sonho que, se Sanders puder vencer essas eleições, podemos sonhar, mesmo sabendo que um presidente americano tem uma máquina de guerra completa e poderosa por trás dele que pode complicar as ações democráticas. Acho que você só pode governar bem se tiver tomado uma decisão sobre o que deseja governar, para quem deseja governar e de que lado você está. Existem lados que devemos tomar durante o nosso tempo no planeta Terra. O fato é que os ricos não precisam do Estado, mas obtêm poder dele. Eles costumam desempenhar o papel do próprio estado. Eu sempre disse que, se alguém quer aprender a governar, deve ver como as mães criam seus filhos. Se uma mãe tiver 10 filhos, ela os amará igualmente, mas se houver um que está enfraquecido e mais fraco, esse será o que receberá o segundo pedaço de carne. Essa é a pessoa que receberá uma segunda garrafa. Essa é a que ela colocará no colo para ajudar a adormecer. Esse é o papel do Estado. Isso é decisão para pessoas que precisam do estado. Quem precisa do estado? Eles são os trabalhadores pobres e as pessoas que querem emprego. Agora estou muito triste porque fiquei orgulhosa quando nossas políticas de inclusão social fizeram o Brasil sair do Mapa da Fome Mundial. Estou muito orgulhoso que a ONU tenha reconhecido que o Brasil não precisava mais estar no mapa. Hoje o Brasil voltou ao Mapa da Fome. Há um bairro em Pernambuco chamado Brasília Teimosa, onde nos livramos dos barracos de madeira e pavimentamos um bom caminho e a praia ficou linda. Palafitas começaram a aparecer lá novamente. E o número de pessoas que dormem nas ruas deste país tem … Eu nunca mais via crianças implorando nas ruas do Brasil. Agora as crianças estão de volta às ruas implorando e vivendo debaixo das pontes. Isso não faz sentido em um país rico como o Brasil. As pessoas dizem que eu sou radical. Não sou radical, aprendi a ser mais humano na prisão. Eu reflito mais. Olho para os meus 70 anos de vida e percebo que tenho que lutar mais e tenho que discutir mais. Você não pode aceitar a ideia de que as elites brasileiras não aceitam o crescimento econômico dos pobres. Eles não aceitam que os pobres possam ter direito a cuidados de saúde, educação, água, escola, tudo o que possa alimentá-los. Eles não aceitam que os pobres tenham essas coisas. Então, eu não sou radical. Eu tenho muito mais consciência política agora. E por esse motivo, quero lutar muito mais. “Ah, mas Lula quer voltar”, dizem eles. “Lula saiu da prisão com raiva e agora ele quer polarizar as coisas.” Eu realmente quero polarizar. Eu quero ter debates ideológicos profundos. Quero que as pessoas saibam que não há ensino em nenhum lugar que uma pessoa tenha que passar três dias sem comida. Não há ensinamentos de que uma pessoa deva acordar de manhã e não tomar um copo de leite ou um pedaço de pão para dar ao filho. Em um país rico como este? Então parece que estou com mais raiva. Parece que sou radical, mas não sou. Eu sou um homem que gosta de conversar e gosta de negociar. Eu aprendi a fazer política negociando. Mas não quero mais ser enganado e quero ajudar o povo brasileiro a levantar a cabeça. Um cara que trabalha para a Uber precisa saber que merece mais do que a Uber. Um homem que entrega pizza de bicicleta precisa saber que ele merece mais. Os cidadãos que dormem na calçada devem saber que não precisam dormir na calçada: o Estado tem responsabilidade com eles. Se não, qual é o estado?

Traduzido e editado para leitura por Brian Mier

Foto principal: Ricardo Stuckert


Se você valoriza o trabalho que a Brasil Wire faz, ajude-nos a manter-se em funcionamento com uma doação. Nossa independência editorial depende do apoio de nossos leitores.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *