União Europeia quer encerrar aplicativos pré-instalados em smartphones

OFERTA TECNANET

Mais uma vez, os reguladores europeus estão à frente das maiores empresas de tecnologia dos EUA (maçã, Amazonas, Facebook mim Google) enquanto avançam com uma proposta de reforma do funcionamento do mercado digital e do intercâmbio de dados. PARA a informação é de Reuters.

O projeto de Lei de serviços digitais, em análise pelo Parlamento Europeu, levanta a possibilidade de aplicações pré-instaladas (também chamadas bloatware) em novos dispositivos são proibidos na Europa. Em vez disso, os consumidores teriam a opção de instalá-los, criando um ambiente equilibrado entre desenvolvedores e fabricantes terceirizados.

O projeto recomenda que grandes empresas de tecnologia sejam proibidas de privilegiar seus próprios serviços em seus sites ou plataformas, em detrimento da concorrência, cuja empresa não possa pré-instalar seus próprios aplicativos em dispositivos de hardware, como notebooks ou telefones. ou forçar outra empresa a pré-instalar seus aplicativos de software.

Os dispositivos Apple, como iPhones e iPads, vêm com uma variedade de aplicativos pré-instalados. Como muitos vão se lembrar, por muito tempo não havia como removê-los, o que levava muitas pessoas a “escondê-los” em uma pasta.

A partir de iOS 10porém, A Apple passou a oferecer a capacidade de remover a maioria desses aplicativos – menos aqueles necessários para funções essenciais como App Store, Configurações, etc. Como iOS 14, A Apple foi mais longe e agora permite alterar o navegador padrão do sistema e o cliente de e-mail.

Isso pode ter sido o suficiente (no caso da Apple) para satisfazer os legisladores, mas o projeto recomenda ir mais longe, sugerindo que os fabricantes não deveriam ter permissão para pré-instalar seus aplicativos.

Se for esse o caso, a Apple provavelmente argumentará que os aplicativos pré-instalados fazem parte da experiência do iPhone e que grande parte do motivo pelo qual as pessoas escolhem seus dispositivos é a forte integração de hardware e software.

Compartilhe dados com concorrentes

Outra medida proposta pelo projeto de lei europeu seria forçar grandes empresas, como a Apple, a “compartilhar dados de clientes com seus concorrentes menores”.

Nesse sentido, os legisladores afirmam que essas empresas “não devem utilizar os dados coletados em suas plataformas para atividades comerciais, a menos que os disponibilizem para empresas que atuam na mesma atividade comercial.

Como você pode imaginar, muitas grandes empresas resistirão à Lei de Serviços Digitais. O Google, por exemplo, declarou publicamente que acredita que as regras regulatórias existentes devem ser modernizadas, em vez de fornecer estruturas inteiramente novas.

A Apple ainda não se pronunciou sobre as propostas emitidas pelo organismo europeu.

através da TechCrunch

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira Corrêa

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *