Vaticano toma posição sobre a declaração do Papa Francisco sobre a união homossexual: ‘descontextualizada’

Após a repercussão da declaração do Papa Francisco sobre a união entre pessoas do mesmo sexo divulgada no mês passado, o Vaticano divulgou, nesta segunda-feira (3), nota na qual afirma que o discurso foi manipulado e descontextualizado , o que gerou várias interpretações e reações. considerado enganoso.

O pontífice afirma que “homossexuais têm o direito de pertencer a uma família” é isso “deve haver uma lei da união civilEles fazem parte do documentário “Francesco”, que estreou nos cinemas italianos no dia 21 de outubro. Segundo a Reuters, o Secretariado do Vaticano escreveu uma nota na semana seguinte, que circulou internamente pela Igreja Católica até ser divulgada nas redes sociais pelo biógrafo papal Austen Ivereigh.

Há mais de um ano, o Papa Francisco respondeu a duas perguntas diferentes em momentos distintos que, no documentário em questão, foram editadas e publicadas em uma única resposta sem a devida contextualização, criando confusão.“, Ele apontou.

Continue após o anúncio

De acordo com a nota, enquanto a primeira parte falava da necessidade de os homossexuais não serem discriminados pela família, a segunda abordava uma questão subsequente sobre a oposição do papa na época em que as leis de união civil na Argentina estavam sendo discutidas. 10 anos. No entanto, a parte da resposta em que o Papa afirmou que “É incongruente falar sobre casamento do mesmo sexo“Teria sido cortado.

O Vaticano também destacou que a posição do Papa continua alinhada com a da Igreja, como o próprio Francisco explicou em uma entrevista de 2014: “O casamento é entre um homem e uma mulher. Os estados laicos querem justificar as uniões civis para regular diferentes situações de convivência entre as pessoas. São pactos de coexistência de outra natureza

Continue após o anúncio

É evidente que o Papa se refere às disposições do Estado, e certamente não à doutrina da Igreja, reafirmada várias vezes ao longo dos anos.“, Concluiu a nota.

Veja o texto completo:

Entenda algumas expressões do Papa no documentário “Francisco”

Algumas declarações contidas no documentário “Francisco”, do roteirista Evgeny Afineevsky, suscitaram, nos últimos dias, diversas reações e interpretações. Por isso, colocamos à sua disposição argumentos úteis com o desejo de promover uma compreensão adequada das palavras do Santo Padre.

Há mais de um ano, durante uma entrevista, o Papa Francisco respondeu a duas questões distintas em momentos distintos que, no referido documentário, foram editadas e publicadas como uma única resposta sem a devida contextualização, o que gerou confusão. O Santo Padre fez uma referência pastoral em primeiro lugar sobre a necessidade de que, dentro da família, um filho ou filha homossexual nunca seja discriminado. As palavras referem-se a eles: “Os gays têm direito a ter uma família; são filhas de Deus, têm direito a uma família. Você não pode se afastar de sua família ou tornar sua vida miserável por isso. “

O seguinte parágrafo da Exortação Apostólica Pós-Sinodal sobre o Amor na Família Amoris Laetitia (2016) pode iluminar tais expressões: “Com os Padres Sinodais foi considerada a situação das tendências homossexuais, uma experiência difícil para pais e filhos. Por isso, queremos antes de mais nada reiterar que toda pessoa, independente de sua orientação sexual, deve ser respeitada em sua dignidade e acolhida com respeito, procurando evitar ‘qualquer indício de discriminação injusta’, em particular qualquer forma de agressão e violência. No que diz respeito às famílias, para que quem manifesta tendência homossexual possa contar com a ajuda necessária para compreender e realizar plenamente a vontade de Deus na sua vida.

Continue após o anúncio

Uma pergunta posterior na entrevista se referia a uma lei local de dez anos atrás na Argentina sobre “casamentos do mesmo sexo entre pessoas do mesmo sexo” e a oposição do então Arcebispo de Buenos Aires sobre este assunto. A respeito desse propósito, o Papa Francisco afirmou que “é incongruente falar de casamento sexual”, acrescentando que, no mesmo contexto, havia falado do direito dessas pessoas a uma certa cobertura jurídica: “O que temos que fazer é um lei de coexistência civil. , (eles) têm direito à proteção legal. Eu o defendi ”.

O Santo Padre expressou-o assim durante uma entrevista em 2014: “O casamento é entre um homem e uma mulher. Os estados laicos querem justificar as uniões civis para regular as diversas situações de convivência entre as pessoas, movidos pela demanda de regular aspectos econômicos entre as pessoas, como a garantia de saúde. São pactos de coexistência de outra natureza, que não poderia listar de maneiras diferentes. É preciso ver os diferentes casos e avaliá-los em sua variedade ”.

Portanto, é evidente que o Papa se refere às disposições do Estado, e certamente não à doutrina da Igreja, reafirmada várias vezes ao longo dos anos.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *