Vivas cenas de rua de Salvador, Brasil

No início da pandemia de coronavírus, com restrições a viagens em todo o mundo, lançamos uma nova série: O mundo através de uma lente – onde os fotojornalistas o ajudam a transportar-se virtualmente a alguns dos lugares mais bonitos e intrigantes do nosso planeta. Esta semana, Stephanie Foden compartilha uma coleção de imagens da Bahia.


A primeira vez que disse a alguém que estava indo para Salvador, não tive coragem de ir. Eu estava indo para o sul ao longo do litoral quando uma brasileira com quem fiz amizade em uma pousada (uma pensão) me explicou a gravidade do crime e como eu seria roubada.

Apesar de seu aviso, eu ainda fui.

Como um mochileiro ingênuo de 22 anos, eu não era o tipo de pessoa que mudava meus planos com base no conselho de uma pessoa. Pelo que li sobre a região, era vibrante e diferente de qualquer outra parte do Brasil. Mas quando cheguei ao meu albergue no Pelourinho, centro histórico cor de bala de Salvador e Patrimônio Mundial da UNESCO, fiquei ouvindo avisos de que a cidade não era segura.

Normalmente, quando viajo para um lugar novo, tento explorar todos os cantos e recantos. Vago pelos becos e gosto de me perder antes de encontrar o caminho de volta. Desta vez foi diferente. Eu me sentia tímido e sem saber para onde ir. Certas ruas, fui avisado, eram zonas proibidas. Não conseguia relaxar ou aproveitar a cidade.

No dia seguinte conheci um brasileiro peculiar com uma profunda paixão pelo estado da Bahia e pelo resto do Nordeste do Brasil. Foi reconfortante ouvir sobre sua versão de Salvador. Rapidamente nos tornamos amigos e ele se tornou meu guia, mostrando-me a cidade. Foi lindo ver o lugar através de seus olhos.

Me apaixonei por Salvador. Eu caí forte, tão forte que antes que eu percebesse, haviam se passado meses, depois anos. Salvador se tornou minha casa por quase meia década.

Sempre quis compartilhar com os outros a versão da cidade que passei a conhecer e amar, a versão descrita pelo famoso escritor baiano Jorge Amado: “A cidade baiana, negra e religiosa, é quase tão misteriosa quanto o mar verde. “

Fotografar aqui sempre foi um prazer: as cores são abundantes, a luz é forte e as pessoas são tudo. Mesmo em um país tão culturalmente único como o Brasil, o estado da Bahia ainda se destaca para mim como nenhum outro. Existem sons, cheiros, alimentos e música distintos desta região. Quase a qualquer hora, você pode ouvir tambores nas ruas, sentir o cheiro de Moqueca (uma caldeirada feita com leite de coco) ou conheça um grupo de capoeiristas (dançarinos da arte marcial afro-brasileira).

A cultura de Salvador deriva de suas influências africanas – cerca de 80% da população da cidade é descendente de africanos, de acordo com os dados do censo de 2010.

A cidade já foi um dos maiores portos de comércio de escravos da América. Por mais de 300 anos, a partir do século 16, cerca de 4,9 milhões de africanos escravizados foram transportados para o Brasil, segundo dados do Transatlantic Slave Trade Database. Só para a Bahia levaram cerca de 1,5 milhão. Em comparação, cerca de 389.000 africanos escravizados foram trazidos para o continente da América do Norte durante o mesmo período.

O Brasil também foi o último país das Américas a abolir a escravidão, em 1888. Agora, apesar de séculos de repressão, tratamento brutal e trauma coletivo, a cultura africana prospera em Salvador, encontrando expressão na cultura afro-brasileira musical, culinária e artística. e cidade literária. tradições.

Salvador enfrenta muitos desafios. O estado da Bahia é um dos estados com menos educação formal do Brasil. Ele também está empobrecido, lutando contra algumas das maiores taxas de desemprego do país. E, nos últimos anos, a desigualdade econômica afetou fortemente a cidade.

A Bahia também tem se destacado politicamente: é um dos 11 estados, todos agrupados próximo ao Nordeste do brasil, que Jair M. Bolsonaro, o presidente de extrema direita, não ganhou nas eleições de 2018.

Saí de Salvador em 2018 e tem sido difícil ver de longe como a cidade está lutando contra a pandemia do coronavírus. Mesmo assim, independentemente dos estereótipos da região, bons ou maus, aterrorizantes ou vibrantes, suspeito que a Bahia continuará a desafiar a lógica e as expectativas, e tenho esperança em seu futuro.

Stephanie foden é um fotógrafo documental baseado em Montreal. Você pode acompanhar o trabalho dele em Instagram.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *