Você está sozinho ou se sente sozinho em quarentena? A resposta pode indicar uma doença.

Para onde o mundo vai

Pexels

Mesmo antes do isolamento social, a solidão já estava sendo mencionada como uma nova epidemia global. Estudos Eles estimam que um terço da população mundial é afetada e que uma em cada doze pessoas experimenta estados mais crônicos dessa condição.

Afinal, o que é solidão? Os neurocientistas distinguem “estar sozinho” de “solidão”. Ficar sozinho é um efeito do estilo de vida moderno, especialmente ocidental. Em pouco menos de um século, as famílias se tornaram mais nucleares, menores e as pessoas começaram a se mover constantemente devido ao trabalho. Nos Estados Unidos, uma em cada quatro pessoas vive sozinha, a vida se tornou mais comum. A solidão tem a ver com a percepção de isolamento, e a pessoa não precisa ficar sozinha, pode haver solidão mesmo em grupos ou multidões.

O sentimento de estar sozinho pode ser benéfico, pois leva a pessoa a procurar companhia. Pelo contrário, a solidão é identificada pela angústia, torna-se mais grave quando o sentimento intensifica a retirada do contato social, aumentando o sentimento de inadequação do indivíduo. Mais do que um incômodo, a solidão pode ser considerada uma doença.

O ser humano é programado para viver em grupos, e há angústia quando ele está longe de seu grupo, sozinho ou vivendo com um grupo de pessoas desconhecidas. No passado, esses estranhos podiam até matar o estranho individual do grupo. Hoje, felizmente, as leis proíbem isso e vivemos em outra configuração social. Esse sentimento desencadeia uma reação de fuga ou luta, com um estado de hipervigilância, que deixa as pessoas solitárias alertas, ansiosas e tensas.

Momentos de isolamento social por coronavírus

A quarentena que estamos enfrentando está muito próxima da condição de solidão. O isolamento social faz com que as pessoas sejam presas, sem contato social, com aumento da ansiedade e tristeza. A grande diferença é que o isolamento em quarentena é temporário! Lembrando que a solidão crônica é sobre o indivíduo que aumenta o estresse pensando em uma abordagem social e está cada vez mais isolado. Vejamos alguns estudos sobre esse tipo de solidão.

A quarentena removeu as pessoas de suas redes de apoio, relações familiares e profissionais, sem contar com outros grupos, como esportes ou cerveja. O ser humano sem contato social acaba se tornando mais propenso ao sentimento de solidão. E mesmo com ele reabertura, ainda passaremos uma boa quantidade de tempo a uma distância “segura” um do outro para impedir a propagação de coronavírus. Portanto, esse isolamento continuará ainda mais.

Solidão não faz bem à saúde. No estudo de meta-análise Com mais de 300.000 pessoas, o pesquisador Holt-Lunstad validou as evidências de mais de 100 estudos sobre o assunto. A quantidade e a qualidade das relações sociais afetam não apenas a saúde mental, mas também a longevidade das pessoas. É um fator de risco independente para morbimortalidade. Os cientistas concluíram que o impacto da solidão na saúde é equivalente ao dos cigarros. Outro estudo revelou que a possibilidade de ter um evento cardiovascular aumenta com a solidão e o isolamento social.

A pílula para a solidão

Como os efeitos estressantes da solidão são prejudiciais à saúde, como você pode reverter ou atenuar a solidão?

Um dos grupos que estuda o assunto está em Universidade de Chicago, dirigido por John Cacioppo (falecido em 2018) e sua esposa Stephanie. Em um pequeno estudo, os cientistas identificaram um potencial composto para tratar a solidão. Este remédio foi recentemente Aprovado pela FDA como o primeiro medicamento para depressão pós-parto. É um neurosteróide produzido pelo cérebro, alopregnanolona, ​​e que é desequilibrado em indivíduos em isolamento social. O estudo mostrou uma redução nos sintomas relacionados ao estresse de isolamento. O grupo de Cacioppo expandiu este estudo, que está em fase clínica, e vê o efeito desse composto na percepção do isolamento social.

Por outro lado, existem grandes críticas à medicalização da vida, na qual as pílulas resolvem sintomas e doenças. Afinal, o problema da epidemia de solidão é complexo com mudanças sociais e de emprego.

Na direção oposta à medicalização, outros estudos de solidão Ele indicou que a forma crônica melhorava com o aumento das relações sociais, o que seria óbvio a menos que sejam pessoas com aversão ao contato social.

No entanto, os cientistas perceberam que quando essas pessoas afetadas cronicamente tinham um objetivo maior que seu auto-isolamento e introspecção, elas podiam interagir com outras pessoas e ter os benefícios de fazer parte de um grupo social. Esse objetivo maior pode ser, por exemplo, a preservação do meio ambiente, o compromisso político ou mesmo o trabalho.

Em tempos de pandemia, como sair do isolamento social, sentir-se conectado e ao mesmo tempo não sair de casa? O momento é repensar vários relacionamentos, incluindo a família. Mas talvez exista uma maneira desse objetivo maior.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.