Você recebeu uma notificação dizendo que foi invadido? Veja como proceder neste caso – 10/05/2020

Você recebeu uma notificação dizendo que foi invadido? Veja como proceder neste caso - 10/05/2020

Ele acorda e a primeira mensagem que vê na parte superior da área de notificação do Android é: “Seu telefone pode estar sendo invadido. Clique aqui para resolver o problema”. O mesmo texto é repetido quatro vezes. O que fazer?

Foi exatamente o que aconteceu com Eliete Mariano Lessa, do Rio de Janeiro. Sem saber como proceder, ele foi ao Facebook e postou sobre o problema. As respostas dos amigos trouxeram orientações e sugestões conflitantes e deixaram o massagista confuso.

Enquanto alguns dizem que deve ser publicidade antivírus e que você precisa fazer backup e redefinir seu telefone, outros argumentaram que a mensagem é falsa.

Inclinação Conversei com especialistas em segurança cibernética para entender o que era e como proceder nos sistemas Android e iOS.

O perigo pode estar nas licenças.

Giovane Fajardo, gerente da Inherit Tecnologia, empresa especializada em soluções para dispositivos Android, afirma que essa ação ocorre quando o usuário ativa as notificações de um determinado site malicioso no navegador Chrome do telefone móvel.

Como um leigo pode identificar esse tipo de mensagem?

“Como regra geral, em caso de qualquer notificação alarmante, especialmente quando solicitado a clicar ou instalar, a pessoa não deve entrar em pânico”, orienta Fajardo.

E é realmente um vírus? O que fazer então?

Não é um vírus, mas apenas uma notificação do site com uma mensagem alarmista. Você deve deixar para lá. Olhando com calma, você pode dizer na própria mensagem qual é o aplicativo e o site de origem. No caso da imagem acima, é o site exclusivo Captcha, suspeito de ser o nome por trás do alarme falso.

Essas notificações podem ser ruins? Qual é o objetivo?

Apenas receber notificações não é um problema. Mas, ao clicar neles, o usuário pode ser enganado e clicar em um link em um site que contém malware, ou seja, um código ou programa malicioso para o telefone celular. Ou faça o download de um aplicativo que contém um cavalo de Tróia, ou seja, uma violação que permite invasões no dispositivo.

O último caso é mais difícil, porque o Android, por padrão, inibe a instalação de aplicativos fora do Google Play, mas isso pode acontecer, a menos que o próprio usuário altere essa configuração. O usuário também deve monitorar as permissões necessárias para a operação de qualquer aplicativo recém-instalado, como o acesso à câmera e ao microfone.

Como deixo de receber notificações deste site?

Ao saber a origem do alerta, a atitude mais apropriada é cancelar as notificações do site específico. Para isso:

  • Abra o aplicativo Chrome
  • Vá para Configurações clicando no menu dos três pontos verticais no canto superior direito da tela do navegador
  • Clique em Notificações
  • Na lista de sites, basta desmarcar o endereço do qual você não deseja receber alertas.

Devo baixar um antivírus?

Nesse caso, o antivírus não faria muita diferença, pois a notificação é um recurso oficial do navegador Chrome: permite acompanhar as atualizações dos seus sites favoritos. O problema era que um desses sites estava usando o recurso para confundir os usuários.

Se o telefone celular for hackeado, a pessoa nem saberá?

“Se você invadir, isso depende muito da ação do vírus, afinal, uma das funções é passar despercebida”, explica Fajardo. Nesses casos, é melhor dobrar sua atenção ao usar seu telefone celular e perceber qualquer comportamento estranho.

Os iPhones estão livres disso?

Nesse caso sim. O IOS não permite que sites acionem notificações. É política da Apple, portanto, não importa se o usuário está no Safari, Chrome ou qualquer outro navegador disponível na App Store. Você, o proprietário do iPhone, não será assediado por isso.

Mas isso não significa que o iPhone esteja imune a golpes. Para Altair Olivo Santin, professor de Engenharia da Computação da PUC-PR, especializado em segurança cibernética, dois eventos recentes mostram que existe uma maneira de invadir iPhones, ou não há muito tempo.

A primeira falha ocorreu no aplicativo de email, o que forçou a reinicialização do dispositivo. A reinicialização abriu uma porta para os hackers roubarem dados do dispositivo, como fotos e detalhes de contato.

No outro descoberto pelo hacker ético Ryan Pickren, o problema ocorreu no sistema de autorização de câmera do dispositivo. Se a pessoa entrar em um determinado site no Safari, o hacker poderá controlar a câmera do celular. Nos dois casos, não era um vírus.

Os dispositivos Android têm uma grande oferta de aplicativos antivírus, mas sua eficácia é controversa: muitos dizem que não protegem muito e a maioria das defesas vem do próprio sistema Android.

No iOS, você não pode instalar antivírus, porque a Apple diz que seu sistema é mais seguro que o Android. Mesmo se verdadeiro, os exemplos mostram que ocasionalmente há exceções à regra. “Historicamente, nos últimos anos, a Apple teve muitos problemas”, diz Santin.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.