“Voos para lugar nenhum” têm sucesso e incentivam as companhias aéreas

publicado em 24/09/2020 19:03 / atualizado em 24/09/2020 19:14

(crédito: Jose Roberto Pereira / Inframerica / Divulgação)

Um dos setores mais afetados durante a nova pandemia de coronavírus foi o turismo. As companhias aéreas de todo o mundo adicionam bilhões de dólares em perdas ao fechamento de fronteiras e cancelamentos de viagens. Na primeira metade do ano, perdas chegam a US $ 460 bilhões para o turismo mundial. Várias empresas pedem acordos para não declarar falência e muitas outras foram obrigadas a interromper a oferta de serviços em diferentes aeroportos do mundo.

Pensando em novas formas de turismo e turistas reclamando da falta de viagens, na região Ásia-Pacífico, as companhias aéreas aproveitaram a situação e criaram “voos para lugar nenhum”. Milhares de pessoas em Brunei, Taiwan, Japão e Austrália começaram a reservar passagens para voos que começam e terminam no mesmo lugar. A proposta deu tanto certo que algumas viagens se esgotaram em 10 minutos!

Vôo temático

Para comemorar o Dia dos Pais em Taiwan, a EVA Airways fez um voo especial em um de seus populares aviões com o tema Hello Kitty.

O vôo decolou do aeroporto na capital de Taiwan, Taipei, e depois sobrevoou várias atrações, incluindo a Ilha Guishan na costa leste, bem como as ilhas. Ryukyu no Japão, antes de retornar ao mesmo aeroporto. Segundo a EVAair, durante a viagem, o capitão fez um “vôo em forma de coração ao redor de Parpa, para abençoar todos os pais do mundo”.

No atendimento a bordo, os clientes receberam bandejas temáticas com Hello Kitty, além de receber 30% de desconto na compra de produtos duty free.

Como parte da homenagem, até mesmo a identificação do vôo foi alterada para BR5288, que, pronunciado em mandarim, soa semelhante a “Eu te amo, pai”.

Voo panorâmico na Austrália

A australiana Qantas Airways anunciou na última quinta-feira um voo panorâmico especial para os australianos que sentem falta de voar. O voo QF787 sai do Aeroporto Doméstico de Sydney no sábado, 10 de outubro de 2020. “Para aqueles que estão perdendo a emoção da viagem ou estão ansiosos para cumprimentar amigos e familiares interestaduais, oferecemos um voo panorâmico do ‘Great South Land’ “usando nossa aeronave Dreamliner B787 de última geração, normalmente reservada para voos internacionais de longo curso, com as maiores janelas em qualquer aeronave de passageiros”, disse o comunicado da empresa.

O anúncio teve tanto sucesso que os ingressos se esgotaram em 10 minutos. Mais de 18 mil pessoas gostaram da postagem com as informações sobre a iniciativa e muitas pessoas reclamaram nos comentários por não poderem fazer a compra.

O voo panorâmico de sete horas incluirá rotas em altitudes mais baixas do que as normalmente usadas em aeronaves deste tamanho para destinos australianos famosos como “Queensland, Território do Norte e Nova Gales do Sul, incluindo a Grande Barreira de Corais, Uluru, Kata Tjuta, Byron Bay e o icônico Porto de Sydney “.

O avião nem precisa decolar

No Japão, a companhia aérea First Airlines lançou em junho a experiência de voo virtual com a opção de sentar em uma estrutura semelhante à cabine de um avião, com assentos na classe executiva e serviço de bordo (bebidas e refeições normalmente servidas nos voos). ), enquanto as telas são projetadas em nuvens de realidade virtual e paisagens aéreas fora do avião.

De acordo com a descrição do evento sem facebook, “FA Lounge” é um serviço online que permite reviver uma viagem extraordinária com apenas um smartphone, baseado no conceito de “viver um novo mundo onde quer que esteja”. Antes do desembarque, o passageiro também pode fazer um tour virtual pelo destino escolhido (Paris, Roma ou Nova York, por exemplo) que inclui até um guia turístico.

Antártica sem passaporte

A agência de viagens Voos para a Antártica, Em parceria com a Qantas Airways, mais uma vez ofereceu viagens para a Antártica, o segundo menor continente do mundo, partindo de cinco locais diferentes da Austrália: Adelaide, Brisbane, Melborne, Perth e Sydney. Como o vôo não pousa no continente coberto de geleiras, os australianos não precisam ter passaporte para viajar.

Segundo a empresa, eles oferecem voos desse tipo desde 1994 e já realizaram mais de 150 viagens. No entanto, pela primeira vez, eles usarão o modelo 787 Dreamland da Qantas Airlines. Até esta quinta-feira (24/09), o último vôo deste ano ainda tinha sete lugares vagos. Algumas partidas para o próximo ano já estão esgotadas.

São seis pacotes diferentes e os valores variam entre os 1.199 dólares australianos na classe econômica, sem direito a sentar na janela mas poder se levantar da cadeira, até 7.999 dólares australianos na classe executiva Deluxe. Durante a viagem, haverá um rodízio de assentos para que todos possam aproveitar melhor a experiência.

“O tempo médio de voo é de 12 horas (dependendo do seu ponto de partida). Após cerca de três horas de voo, geralmente vemos o primeiro gelo marinho e icebergs. Passamos cerca de quatro horas na Antártida e as restantes quatro horas viajando home. “descreve o anúncio.

Serviço a bordo

A Thai Airways abriu no início deste mês em restaurante temporário com mobília de avião e garçonetes vestidas de comissários de bordo. Como o restaurante fica no segundo andar da sede da Thai Airways, é possível entrar em escadas semelhantes às utilizadas para entrar em aviões. A ideia é que as pessoas possam desfrutar de um pouco das comidas e bebidas que são oferecidas em um avião sem precisar voar.

Também interessada em oferecer a experiência gastronômica no ar, a Royal Brunei Airlines montou o pacote Dine & Fly. Desde meados de agosto, já foram realizadas cinco viagens de “jantar e vôo” servindo culinária local aos passageiros durante voos pelo país. No redes sociais da empresa você pode acompanhar como o experimento funciona.

Experiencia em brasilia

No ano passado, um protótipo de O avião foi armado no estacionamento da Igreja Batista Central de Brasília, no 603 Sul., por seu presidente Ricardo Espíndola. Batizado de Pan Am Experience Brasil, agora o projeto é transformar um avião de verdade em um restaurante e seu andamento pode ser acompanhado no Instagram.

A moradora de Sobradinho Marcella Carlos, 28, participou da experiência com a família no ano passado e adorou. “Mesmo não tendo decolado, foi uma experiência ótima e muito real! No nosso avião tinha o som que simulava a decolagem, o serviço de bordo e até o ar condicionado que fazia você se sentir como se estivesse em uma experiência de avião porque até os assentos foram fornecidos pelas companhias aéreas. Foi uma experiência de primeira classe que eu nunca tive. Agora com a pandemia o serviço está fechado aqui, mas recomendo a todos ”, explica.

Marcella Carlos (camisa preta) e sua família na experiência de voo gastronômico na PanAm Experience Brasil.
Marcella Carlos (camisa preta) e sua família na experiência de voo gastronômico na PanAm Experience Brasil.
(foto: Coleção Pessoal / Marcella Carlos)

Dióxido de carbono

Em comentários sobre as mídias sociais de publicidade de viagens, as pessoas acusam as companhias aéreas de contribuírem desnecessariamente para as emissões de dióxido de carbono e outras substâncias que contribuem para as mudanças climáticas.

Apesar do sucesso inicial e algumas empresas afirmam que os voos têm compromisso com planos de sustentabilidadeAs experiências de turismo alternativo têm recebido críticas intensas tanto de grupos ambientais quanto do público.

* Estagiário sob supervisão de Roberto Fonseca

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *