Zico: A profunda conexão da lenda do futebol brasileiro com Kashima e Japão

Zico estabeleceu laços duradouros com o Japão desde que chegou como jogador em 1991. Ele jogou e treinou o Kashima Antlers, da J. League, onde agora atua como consultor, e administrou a campanha do Japão na Copa do Mundo da FIFA. 2006 na Alemanha. Neste artigo, ele compartilha sua relação com a cidade e o país que chama de “segunda casa”.

herói da cidade natal

O relacionamento do jogador de futebol brasileiro Zico com o Japão começou na pequena cidade industrial de Kashima, na província de Ibaraki. Depois de uma carreira brilhante jogando pelo Flamengo e pelo time italiano Udinese, em 1991 ele voou meio mundo para se juntar à equipe Sumitomo Metal Industries. Dois anos depois, com o lançamento da J. League, o time renasceu como Kashima Antlers, e a presença de Zico dentro e fora do campo foi a base do sucesso duradouro do clube.

Talvez o mais ilustrativo da profunda conexão de Zico com Kashima sejam duas estátuas de bronze da lenda encontradas na cidade. Um deles, erguido em um shopping local em 1994, adorna um espaço chamado “Plaza Zico”. O outro, construído em 1996, adorna o terreno de um centro esportivo municipal ao lado do estádio de futebol de Kashima, o estádio dos Antlers. Quando questionado sobre as semelhanças, Zico não expressa nada além de gratidão: “As estátuas são homenagens além dos meus sonhos mais loucos. Eu me sinto realmente honrado.”

Embora Zico seja rápido em minimizar seu papel, a contribuição do brasileiro para o status de Kashima como uma potência do futebol profissional japonês não pode ser subestimada. “Quando o grande projeto foi lançado há cerca de 30 anos para ajudar a revitalizar a cidade através do futebol”, diz Zico, “me juntei a uma equipe dedicada e trabalhadora que incluía treinadores, jogadores e funcionários da equipe, além de patrocinadores e membros da equipe. do clube. da comunidade local. Tenho sorte que foi minha imagem escolhida para as estátuas. Mas eles realmente simbolizam os esforços combinados de cada indivíduo envolvido.”

A primeira de duas estátuas, mostrando Zico posando com o pé direito na bola e as duas mãos nos quadris, foi encomendada secretamente para comemorar a aposentadoria do superastro. Ele se lembra de ter participado de uma sessão de fotos que, sem saber, rendeu a imagem usada para a estátua. “O fotógrafo me fez ficar de um lado para o outro”, ri Zico. À medida que a sessão avançava, sua irritação começou a transbordar. “Perguntei quanto tempo levaria, ao que me disseram educadamente para sorrir e esperar, pois era uma foto tão importante. eu ia fazer? Eu aguentei.”


Zico posa ao lado de sua figura de bronze em outubro de 1994 em evento comemorativo por sua aposentadoria como jogador. (© Kashima Antlers)

Carnaval de Zico

A abertura surpresa veio em outubro de 1994. Zico havia pendurado as unhas naquele verão e, para homenageá-lo, o clube, patrocinadores e outros se reuniram para um evento de 10 dias, apelidado de “Carnaval do Zico”. A inauguração foi o ponto alto da comemoração e contou com a presença de sua mãe Matilde e seus cinco irmãos, que fizeram a longa viagem do Brasil para estar ao seu lado. “Eu fiz tantas memórias no Japão. Foi uma ocasião muito emocionante”, lembra Zico.

A família de Zico senta-se na primeira fila durante a cerimônia de abertura.  (© Kashima Antlers)
A família de Zico senta-se na primeira fila durante a cerimônia de abertura. (© Kashima Antlers)

A segunda estátua de Zico do lado de fora do Estádio Kashima pega a lenda no meio de um drible, empurrando a bola com a parte externa do pé direito enquanto seus olhos descem pelo campo. É um empate para os torcedores do Kashima, e até mesmo alguns torcedores dos times adversários, que em dias de jogo podem ser vistos posando para fotos com a figura, uma prova do respeito e admiração duradouros pela lenda brasileira.

Essas não são as únicas estátuas da estrela: outras duas estão localizadas do outro lado do mundo, no Rio de Janeiro. Uma imagem de bronze, representando Zico acertando a bola em um chute voador dramático, agora está instalada na sede do Flamengo; outro decora um centro de treinamento do Flamengo. Este reconhecimento artístico do célebre kicker em ambos os lados do mundo é uma prova de seu impacto no esporte.

Zico comemora um gol contra a Nova Zelândia em uma partida da fase de grupos em 23 de junho de 1982 na Copa do Mundo da FIFA na Espanha.  (© Reuters/Action Images)
Zico comemora um gol contra a Nova Zelândia em uma partida da fase de grupos em 23 de junho de 1982 na Copa do Mundo da FIFA na Espanha. (© Reuters/Action Images)

estrada para o japão

O sucesso de Kashima em atrair um dos maiores jogadores de futebol da história para uma pequena cidade em Ibaraki com um time de segundo escalão é nada menos que milagroso. Zico estava aposentado e ocupava o cargo de primeiro ministro do Esporte do Brasil quando a Sumitomo Metals Industries lhe ofereceu um contrato de três anos com seu clube de futebol. O Japão estava prestes a lançar a J. League, sua primeira liga profissional, e a Sumitomo foi uma das 10 equipes fundadoras selecionadas para participar. “Isso mexeu comigo”, diz Zico. Para alegria do clube, ele aceitou a proposta e voou para o Japão em maio de 1991.

Zico se junta ao presidente da Sumitomo Metal Industries, Shingū Yasuo, enquanto exibe sua camisa número 10 em uma coletiva de imprensa em 21 de maio de 1991. (© Kyōdō)
Zico se junta ao presidente da Sumitomo Metal Industries, Shingū Yasuo, enquanto exibe sua camisa número 10 em uma coletiva de imprensa em 21 de maio de 1991. (© Kyōdō)

Aos 38 anos, Zico duvidava de alguma utilidade para o time como jogador, mas foi atraído pela ambição do projeto. “Achei que poderia usar minha experiência e conhecimento do esporte para ajudar a equipe a se tornar um clube profissional de sucesso”, diz ele. “Foi um desafio convincente.”

Um exemplo do clube

Sumitomo lançou as bases para seu renascimento profissional nos dois primeiros anos de Zico. Em julho de 1991, uma pesquisa pública decidiu que Kashima Antlers seria o novo nome do clube e, na primavera seguinte, a equipe revelou seu logotipo e emblema. A construção de um novo clube e estádio também começou.

Zico rapidamente assumiu um papel de liderança no Kashima, oferecendo assessoria técnica aos seus companheiros dentro e fora do campo. Tendo competido nos mais altos níveis do esporte, ele sabia que, se a organização esperava fazer uma transição bem-sucedida de amador para profissional, primeiro teria que incutir uma mentalidade vencedora nos jogadores e na equipe. “Um clube em segundo ou terceiro lugar pode se sentir confortável com uma boa temporada”, diz Zico. “Mas a história lembra o time que levantou a taça.” Para construir seu legado, Kashima precisava conquistar títulos.

Tornar-se um candidato levaria tempo, mas Zico colocou a Sumitomo solidamente nessa direção desde o início. A equipe terminou a temporada 1991-1992 da segunda divisão da Liga Japonesa de Futebol, antecessora da J. League, como vice-campeã, com Zico levando a chuteira de ouro com 21 gols. Nesse mesmo ano, Sumitomo avançou para as semifinais da inaugural J. League Cup.

Determinado como sempre a vencer, Zico, de 40 anos, entrou na temporada inaugural da J. League em 1993. Em 16 de maio, ele e seus companheiros de equipe do Antlers entraram em campo no recém-inaugurado Kashima Stadium contra um time do Nagoya Grampus Eight que contou com a seleção inglesa e artilheiro da Copa do Mundo de 1986, Gary Lineker. O Kashima dominou a partida, derrotando o Nagoya por 5 a 0, incluindo uma histórica tripla de Zico na primeira liga.

Zico comemora seu terceiro gol contra o Nagoya com o também brasileiro Alcindo na partida de abertura do Kashima na J. League.  (© Kyodo)
Zico comemora seu terceiro gol contra o Nagoya com o também brasileiro Alcindo na partida de abertura do Kashima na J. League. (© Kyodo)

Graças ao forte interesse da mídia estrangeira na nova liga do Japão, a partida foi coberta por vários meios de comunicação estrangeiros e as notícias da conquista de Zico se espalharam rapidamente pelo mundo.

Zico, à esquerda, conforta Gary Lineker, do Nagoya, após a partida.  (© Reuters)
Zico, à esquerda, conforta Gary Lineker, do Nagoya, após a partida. (© Reuters)

A partir deste início auspicioso, Kashima iria ganhar seu primeiro título, de alguma forma. A J. League começou seguindo um formato de temporada dividida, com os vencedores de cada fase se reunindo em uma série de dois jogos para decidir o campeão geral. Embora Zico tenha sofrido com lesões que o limitaram a apenas três jogos, sua presença impulsionou Kashima ao título da primeira fase com dois jogos restantes.

“Éramos uma unidade apertada”, diz Zico sobre a equipe Antlers. “Como deve ser uma equipe?” Sua filosofia de sempre jogar para vencer e outros “zicoísmos” continuam a ser a espinha dorsal do futebol Kashima até hoje.

A casa que Zico construiu

Zico relembra seus 30 anos de envolvimento em Kashima com uma mistura de admiração e gratidão. “Nunca imaginei que o relacionamento duraria tanto”, diz ele. “É uma conexão sólida baseada na confiança. Vir para Kashima enriqueceu imensamente minha vida.”

O sentimento é compartilhado pela organização Antlers. O conselheiro do clube, Suzuki Mitsuru, que foi técnico de Kashima durante o tempo de Zico como jogador, diz que a lenda brasileira se tornou o padrão-ouro do profissionalismo no futebol. “Ele entrou comprometido em transformar o Kashima em um time campeão”, diz Suzuki, acrescentando que sua paixão pelo esporte permeou tudo o que fez. “Não importa o que ele estava falando, eu me certifiquei de ouvir tudo o que ele disse.”

A longevidade do relacionamento deve muito à afinidade de Zico pelo Japão. Como jogador, ele era conhecido por fazer o longo trajeto para os treinos da equipe de sua casa em Tóquio usando transporte público. “Lembrou-me da época em que jogava no time de juniores do Flamengo”, ri Zico. “Gosto de viajar de trem e teria viajado alegremente para Kashima de trem, mas tive que mudar para um ônibus rodoviário na estação de Tóquio para a segunda etapa da viagem. Às vezes eu ficava preso no trânsito na hora do rush, mas tudo fazia parte da aventura de morar no Japão.”

Após se aposentar em 1994, Zico retornou ao Brasil por um período. Em 1996, ele estava de volta ao Kashima, atuando como diretor técnico da equipe. Nesse mesmo ano, os Antlers venceram seu primeiro campeonato da liga e conquistariam muitos outros títulos nas próximas décadas.

O sucesso de Zico em Kashima acabou chamando a atenção da Associação Japonesa de Futebol e, em 2002, ele foi selecionado para ser o técnico da seleção masculina. Durante seu mandato, ele liderou a equipe para sua terceira Copa da Ásia e terceira aparição na final da Copa do Mundo, promovendo seu legado e fortalecendo o futebol japonês.

(Publicado originalmente em japonês. Foto do banner: Zico, ao centro, junta-se, a partir da esquerda, aos ex-jogadores do Kashima Suzuki Takayuki, Honda Yasuto, Narahashi Akira e Nakata Kōji durante a etapa de Kashima do Revezamento da Tocha Olímpica Tóquio 2020 em 4 de julho de 2021. © Jiji.)

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.